Mostrando postagens com marcador POESIAS. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador POESIAS. Mostrar todas as postagens

VERSOS PARA A PATRÍCIA – Mia Couto


1. Ilha

Tenho a sede das ilhas
e esquece-me ser terra

Meu amor, aconchega-me
meu amor, mareja-me

Depois, não
me ensines a estrada.

A intenção da água é o mar
a intenção de mim és tu.


2. Véspera

Há um perfume
que trabalha em mim
e me acende,
antigo,
sobre a poeira

Há um rosto
que regressa à fonte
água readormecendo

E só hoje reparo
o labor das nuvens
corais solares
arquitectando o céu

Pássaros brancos
vão pousando
na varanda dos teus olhos

Só hoje enfrento o sol
fogo imóvel,
labareda de água

Andemos, meu amor,
____________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



CANÇÃO DO EXÍLIO DO RIO - Vanderson Teófilo F. da Silva e Marcos Vinícius M. Lopes

________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



BEBER TODA TERNURA – Mia Couto


Não ter morada
habitar
como um beijo
entre os lábios
fingir-se ausente
e suspirar
(o meu corpo
não se reconhece na espera)
percorrer com um só gesto
o teu corpo
e beber toda a ternura
para refazer
o rosto em que desapareces
_____________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



MÁRIO QUINTANA - Os Poemas são pássaros...





Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto;
alimentam-se um instante em cada
par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...


_______________________


____________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



O EGOÍSMO PESSOAL TAPA TODOS OS HORIZONTES – José Saramago

 O mal e o remédio estão em nós. A mesma espécie humana que agora nos indigna, indignou-se antes e indignar-se-á amanhã.

Agora vivemos um tempo em que o egoísmo pessoal tapa todos os horizontes. Perdeu-se o sentido da solidariedade, o sentido cívico, que não deve confundir-se nunca com a caridade.

É um tempo escuro, mas chegará, certamente, outra geração mais autêntica. Talvez o homem não tenha remédio, não tenhamos progredido muito em bondade em milhares e milhares de anos sobre a Terra.

Talvez estejamos a percorrer um longo e interminável caminho que nos leva ao ser humano. Talvez, não sei onde nem quando, cheguemos a ser aquilo que temos de ser.

Quando metade do mundo morre de fome e a outra metade não faz nada... alguma coisa não funciona. Talvez um dia!
____________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



SEPARAÇÃO DE BENS – Keila Mattioli


Você fica com a lucidez.

Eu fico com a desmemória
com a lembrança pairada
com um pé de vento amanhecido no poema que te fiz embolada de carinho
e aquele papel esquisito que não poderá mais nunca ser.

Você fica com os discos
Eu fico com a melodia inacabada.
Posso também ficar com todas as letras que contavam uma rima nossa.
Fico também com um vinil arranhado e esburacado
contando uma aventura
e uma história que era dócil.

Você fica com o anel.
Eu fico com o laço;
fico também com um abraço
inviolado
Fico com aquele beijo maroto
E com a saudade de um enrosco.

Você fica com o sol
Eu permaneço entre estrelas e a lua,
bêbada e atrapalhada,
com os lençóis mostos,
com uma lágrima desvairada
E uma desvantagem.

Você fica com as jóias
Eu fico com os copos
as garrafas vazias
fico com a dor no peito
fico com a hemorragia.

Você fica com a verdade
Eu continuo com a desrazão
a incompletude
o vazio e o leite entornado.
Fico com a pele arrepiada
com os lábios cansados
com a explicação que não coube
com a palavra sussurrada.
Fico com a náusea,
fico com o cabelo despenteado,
Fico com uma angústia a mais.

Você fica com a certeza
Eu permaneço com a dúvida
com a ausência
Com o desacato.

Você fica com tudo.
E eu parto sem nada do que te dei.
Levo comigo meus comigos
E aquele pedaço que você nunca entrou,
intacto.
Você leva tudo, meu amor,
Mas quem vai agora, sou eu…

 Keila Mattioli, poeta sul-matogrossense.
_______________________________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



VIA-LÁCTEA – Olavo Bilac


“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda a noite, enquanto
A via-láctea, como um pálio aberto, Cintila. 
E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas”.
________________________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



O MILAGRE DA VIDA – Albert Einstein


Pode ser que um dia deixemos de nos falar...
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.

Pode ser que um dia o tempo passe...
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos...
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos...
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe...
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.

Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.
____________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



SAUDADE – Mia Couto


Magoa-me a saudade
do sobressalto dos corpos
ferindo-se de ternura
dói-me a distante lembrança
do teu vestido
caindo aos nossos pés

Magoa-me a saudade
do tempo em que te habitava
como o sal ocupa o mar
como a luz recolhendo-se
nas pupilas desatentas

Seja eu de novo tua sombra, teu desejo
tua noite sem remédio
tua virtude, tua carência
eu 
que longe de ti sou fraco
eu 
que já fui água, seiva vegetal
sou agora gota trémula, raiz exposta

Traz
de novo, meu amor,
a transparência da água
dá ocupação à minha ternura vadia
mergulha os teus dedos
no feitiço do meu peito
e espanta na gruta funda de mim
__________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



PABLO NERUDA - Plena Mulher


Plena mulher, maçã carnal, lua quente,
espesso aroma de algas, lodo e luz pisados,
que obscura claridade se abre entre tuas pernas?
que antiga noite o homem toca com seus sentidos?
Ai, amar é uma viagem com água e com estrelas,
com ar opresso e bruscas tempestades de farinha:
amar é um combate de relâmpagos e dois corpos
por um só mel derrotados.
Beijo a beijo percorro teu pequeno infinito,
tuas margens, teus rios, teus povoados pequenos,
e o fogo genital transformado em delícia
corre pelos tênues caminhos do sangue
até precipitar-se como um cravo noturno,
até ser e não ser senão na sombra de um raio.
________________________________

 Subscribe in a reader
_______________________________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



A DANÇA DA VIDA - Edmir Silveira

Ela chegou de novo, de repente, de longe, de sempre.

Nossas vidas são assim, feitas de surpresas impossíveis.
Desde os 15 anos (ela 14) de idade, antes de estarmos poluídos pela vida, resolvemos que iríamos nos amar pra sempre. Como só duas crianças podem sonhar. Pra sempre.

Sempre não é aqui, não é agora. Mas, pode até ser porque sempre não tem hora, é sempre.

E nosso tempo sempre foi bem diferente.
De repente, presente, sempre não mais que de repente. Quando necessário.

Ela é bailarina. Foi escolhida. Sua alma nasceu maior que ela: para dançar.

Toda mulher escolhe a dança, a dança escolhe poucas.
Minha bailarina chegou, de novo, quando da sua dança preciso.

Não faz tanto tempo, mas fazia muito tempo que eu não precisava tanto dessa dança. Dos silêncios de quem se conhece pelo olho. 

Seu abraço e seu silêncio. Eu precisava ouvir. Música imaginária que dança. Clássica, elegante, perfeita, possível apenas para um corpo que vive para aquele propósito e, por isso, perfeito no detalhe de cada movimento. Sublinhando as palavras não ditas.  

E de novo a mágica se faz. De novo para sempre. Até nos despedirmos de novo. Para sempre?
________________________
Não custa nada.





FEDERICO GARCÍA LORCA - Romance sonâmbulo


(A Gloria Giner e a Fernando de los Rios)

Verde que te quero verde.
Verde vento. Verdes ramas.
O barco vai sobre o mar
e o cavalo na montanha.
Com a sombra pela cintura
ela sonha na varanda,
verde carne, tranças verdes,
com olhos de fria prata.
Verde que te quero verde.
Por sob a lua gitana,
as coisas estão mirando-a
e ela não pode mirá-las.

Verde que te quero verde.
Grandes estrelas de escarcha
nascem com o peixe de sombra
que rasga o caminho da alva.
A figueira raspa o vento
a lixá-lo com as ramas,
e o monte, gato selvagem,
eriça as piteiras ásperas.

Mas quem virá? E por onde?...
Ela fica na varanda,
verde carne, tranças verdes,
ela sonha na água amarga.
Compadre, dou meu cavalo
em troca de sua casa,
o arreio por seu espelho,
a faca por sua manta.
Compadre, venho sangrando
desde as passagens de Cabra.
Se pudesse, meu mocinho,
esse negócio eu fechava.
No entanto eu já não sou eu,
nem a casa é minha casa.
Compadre, quero morrer
com decência, em minha cama.
De ferro, se for possível,
e com lençóis de cambraia.
Não vês que enorme ferida
vai de meu peito à garganta?
Trezentas rosas morenas
traz tua camisa branca.
Ressuma teu sangue e cheira
em redor de tua faixa.
No entanto eu já não sou eu,
nem a casa é minha casa.
Que eu possa subir ao menos
até às altas varandas.
Que eu possa subir! que o possa
até às verdes varandas.
As balaustradas da lua
por onde retumba a água.

Já sobem os dois compadres
até às altas varandas.
Deixando um rastro de sangue.
Deixando um rastro de lágrimas.
Tremiam pelos telhados
pequenos faróis de lata.
Mil pandeiros de cristal
feriam a madrugada.

Verde que te quero verde,
verde vento, verdes ramas.
Os dois compadres subiram.
O vasto vento deixava
na boca um gosto esquisito
de menta, fel e alfavaca.
Que é dela, compadre, dize-me
que é de tua filha amarga?
Quantas vezes te esperou!
Quantas vezes te esperara,
rosto fresco, negras tranças,
aqui na verde varanda!

Sobre a face da cisterna
balançava-se a gitana.
Verde carne, tranças verdes,
com olhos de fria prata.
Ponta gelada de lua
sustenta-a por cima da água.
A noite se fez tão íntima
como uma pequena praça.
Lá fora, à porta, golpeando,
guardas-civis na cachaça.
Verde que te quero verde.
Verde vento. Verdes ramas.
O barco vai sobre o mar.
E o cavalo na montanha.
____________________________________
_________________________________________

Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.



CORA CORALINA - Muitas vezes basta ser colo que acolhe...


Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. 

É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar.
__________________________________


Visite os anúncios e ajude a custear o Cult Carioca.
Não custa nada.


Siga o Cult Carioca.

.