Anúncio

LE-SHANA TOVÁ TIKATEVU VE-TECHATEMU - Nilton Bonder

Nos céus o tempo fecha mais um ciclo de equinócio solar invertendo o mando de luz e escuro, de frio e calor. Enquanto isso, na intimidade de nossa pequena tribo, isso se traduz em rituais de renascimento.

Renascer não é fácil porque exige saber zerar, reiniciar e perdoar.

As repetições da vida nos fazem descrentes de que possamos nos transformar. E a tradição nos dá o colo ancestral para reafirmar que isso é possível.

Rosh Hashaná acontece na saída do signo de Virgem, símbolo de que há em nós aspectos virginais, fragmentos de alma-tronco, que se mantém puros, intocados e íntegros. É desse lugar inteiro que iremos buscar forças para enfrentar o que está partido e equivocado em nossas vidas e mergulhar em Libra.

E uma vez na balança buscaremos Tshuvá – um novo caminho para recomeçar; Tikun, um novo patamar de acerto.

O Shofar em seu formato de canal de parto vai do lugar estreito de nosso julgamento ao lugar amplo de compaixão e acolhimento. Nosso tempo  é finito e nosso tsadik interno – nossa essência mais madura – sabe que o julgar  que não nos faz mais compassivos impossibilita renascer e reciclar. Ao fazer-nos irmãos em vulnerabilidade, nos tornamos filhos do Universo e provamos do alívio de estar de novo em casa.

Sempre muito enobrecido por fazer parte deste coletivo, peço desculpas por mim, por essa comunidade, pelo povo judeu, pelo gênero humano.

“Farei  teus equívocos efêmeros e branquearei tuas sombras como a neve, as nuvens e a lã”.

Le-Shana Tová tikatevu ve-techatemu


Sejamos inscritos e selados ao renascimento!

Anúncio

Postagens mais visitadas