A CULTURA DA INDIFERENÇA - Christian Ingo Lenz Dunker

O amor não acaba no momento em que passamos a odiar o outro, 
mas quando nos tornamos indiferentes a ele; 
aí surge o narcisismo de alta periculosidade.

O livro Cultura do narcisismo escrito por Christopher Lash em 1979 é um clássico. O autor descreve o modo de vida americano nos anos 70, retratando uma sociedade na qual a participação na esfera pública entrava em declínio e as pessoas enfrentavam dificuldades para reconhecer sua própria história. O livro é premonitório em vários sentidos: apresenta o horror à velhice, à feminilização da cultura, à autoridade burocrático-permissiva, à educação como mercadoria, à autopromoção por meio de “imagens de vitória” e ao paternalismo sem pai.

O texto de Lash mostra como o que era diagnosticado como patologia narcísica ou limítrofe nos anos 50 torna-se uma espécie de “normalidade compulsória” depois de duas décadas. Para que alguém seja considerado “bem-sucedido” é trivialmente esperado que manipule sua própria imagem como se fosse um personagem, com a consequente perda do sentimento de autenticidade, dramatizando a vida em forma de espetáculo, com o correlativo complexo de impostura ou olhar para o trabalho como se ele fosse uma maratona olímpica e, a pessoa, um herói predestinado.

Mas havia um capítulo subtraído da descrição de Lash ao qual o psicanalista Jurandir Freire Costa se refere, tendo em vista o caso brasileiro: a violência. Ao contrário do narcisismo americano que produzia sentimentos de vazio, isolamento e solidão, o narcisismo à brasileira é capaz de inverter inadvertidamente a docilidade em violência. Seria preciso voltar a três hipóteses sobre a brasilidade para entender este fenômeno.

Para Sérgio Buarque de Holanda nossa contribuição aos costumes universais está na cordialidade com a qual combinamos vícios públicos e benefícios privados. Nosso “manejo” da lei explica a dificuldade de reconhecer problemas comuns e de engendrar verdadeiras transformações. Daí a formação de uma docilidade que nada mais é do que resignação, ressentimento e conformidade. Para os modernistas como Oswald e Mário de Andrade, nossa violência é um caso exagerado de complexo canibal de devoração do Outro. Nosso consumo do estrangeiro é ao mesmo tempo violência e submissão, impotência e desmesura, caráter e autoironia. Finalmente, para Gilberto Freire violência e docilidade convivem bem em razão das inversões propiciadas pela sexualidade, na qual o mais fraco pode dominar o mais forte para em seguida ser submetido vingativamente por este.

Se o narcisismo nada mais é que a patologia normal do amor, percebe-se que as três hipóteses sobre a gênese de nossa violência narcísica respondem por três maneiras distintas de negar o amor como paradigma da relação de reconhecimento: invertendo-o em ódio invejoso dirigido ao dominador, como mostra Freire em Casa grande e senzala, projetando-o no Outro plenipotente a ser expoliado, conforme o Manifesto antropofágico, de Osvald de Andrade, ou mimetizando desamparo diante daquele que é o dono da lei, como em Raízes do Brasil, de Buarque de Holanda. Freud dizia que o amor é uma pulsão especial porque ela admite três e não apenas uma negação, como a maior parte das pulsões. Amar opõe-se a ser amado, como no canibalismo-­cordial, mas também a odiar como na dominação-cordial.

Contudo, a oposição real se dá entre amor e indiferença. O amor não acaba quando odiamos o outro ou quando queremos lhe fazer o mesmo que nos fez, mas quando nos tornamos indiferentes. Este é o narcisismo de alta periculosidade, pois passa da docilidade à violência baseado apenas na experiência de admitir ou negar a existência do outro. Na cordialidade, na antropofagia ou na dominação sexual a existência do outro está prevista, bem como as alternativas de reconhecimento. Algo diferente se passa quando nossa cultura da indiferença é forçada a reconhecer aqueles que, até então, não existiam. E isso sempre será percebido como violência. Mas de quem?

O AMOR SE ESCONDE – Edmir Silveira


Te reconheço, antes de te conhecer

Feita de tudo,
carne, veludo
Alegria nua

 Faz tudo fazer sentido 
O Cheiro, o som da voz, 
o toque na pele, gosto de desejo.

Reconheço pelo olhar, pelos cabelos todos
Reconheço pelo cheiro do couro cabeludo
Reconheço cada parte inteira em cada novo corpo.
Te redescobrindo sempre. Me apaixonando sempre.

De repente some,
Desaparece sem aviso,
Deixando no vazio
 A casca do amor.

Sempre reaparecendo de novo e de novo,
Sempre perfeita, sempre diferente
Outro nome, Outro corpo, outros cabelos, outros olhos
E permaneces por enquanto
Enquanto sou feliz. Enquanto amo. Enquanto vivo.

Amo todos os seus nomes, seus corpos e suas vozes.

Mas,
Estou cansado de te perder.

E. E. CUMMINGS - Eu Carrego Você Comigo


Carrego seu coração comigo
Eu carrego no meu coração
Nunca estou sem ele
Onde quer que vá, você vai comigo
E o que quer que faça
Eu faço por você
Não temo meu destino
Você é meu destino, meu doce
Eu não quero o mundo por mais belo que seja
Você é meu mundo, minha verdade.

Eis o grande segredo que ninguém sabe.
Aqui está a raiz da raiz
O broto do broto e o céu do céu
De uma árvore chamada VIDA
Que cresce mais que a alma pode esperar
ou a mente pode esconder
E esse é o pródigo que mantém
as estrelas à distância.

Eu carrego seu coração comigo
Eu o carrego no meu coração.

QUERER - Pablo Neruda


Não te quero senão porque te quero 
E de querer-te a não querer-te chego 
E de esperar-te quando não te espero 
Passa meu coração do frio ao fogo.

Te quero só porque a ti te quero, 
Te odeio sem fim, e odiando-te rogo, 
E a medida de meu amor viajeiro 
É não ver-te e amar-te como um cego.

Talvez consumirá a luz de janeiro 
Seu raio cruel, meu coração inteiro, 
Roubando-me a chave do sossego.

Nesta história só eu morro 
E morrerei de amor porque te quero, 
Porque te quero, amor, a sangue e a fogo.

MARTHA MEDEIROS - Poesia - Tristeza é quando


Tristeza é quando chove
quando está calor demais
quando o corpo dói
e os olhos pesam tristeza
é quando se dorme pouco
quando a voz sai fraca
quando as palavras cessam
e o corpo desobedece
tristeza é quando não se acha graça
quando não se sente fome
quando qualquer bobagem nos faz chorar
tristeza é quando parece que não vai acabar.

SEM MAIS LÁGRIMAS - Charles Chaplin

Chorar não resolve, falar pouco é uma virtude, 
aprender a se colocar em primeiro lugar não é egoismo.

Para qualquer escolha se segue alguma consequência, vontades efêmeras não valem a pena,
quem faz uma vez, não faz duas necessariamente,
mas quem faz dez, com certeza faz onze.

Perdoar é nobre, esquecer é quase impossível.
Quem te merece não te faz chorar, quem gosta cuida,
o que está no passado tem motivos para não fazer parte do seu presente, não é preciso perder pra aprender a dar valor, e os amigos ainda se contam nos dedos.

Aos poucos você percebe o que vale a pena, o que se deve guardar pro resto da vida, e o que nunca deveria ter entrado nela.

Não tem como esconder a verdade, nem tem como enterrar o passado, o tempo sempre vai ser o melhor remédio, mas seus resultados nem sempre são imediatos.

A YOGA ALÉM DA YOGA – Rick Ricardo

A Yoga já está mais do que banalizada no ocidente mas, como todas as artes orientais antigas, quando chegou por aqui, já veio adaptada, empacotada e colocada à venda como apenas mais um programa de exercícios para melhorar a saúde ou como um culto, destinado a atrair "devotos" e, obviamente, "lucro".

A Yoga foi tão reduzida a clichês que tornou-se necessário redefinir, ou melhor, corrigir as distorções iniciais cometidas, para que o seu verdadeiro significado e propósito seja, verdadeiramente, compreendido.

A palavra sânscrito Yoga se traduz como "juntando"ou "unindo", e tradicionalmente é considerada como união com a sua natureza mais profunda (ou como a psicologia junguiana define o "inconsciente").

Fruto de uma tradição milenar, essas práticas foram codificadas pela primeira vez por um estudioso indiano chamado Patanjali, no "Yoga Sutras", escrito por volta do século II AC. No Yoga Sutra, que é o texto fundamental sobre a Yoga, Patanjali sugere que a asana (postura) seja apenas "sentar-se em uma posição que seja firme, mas relaxado" por longos períodos, ou atemporais (como na postura da meditação). Esta é a única descrição de postura (asana) contida no texto.

Os primeiros iogues indianos que foram ensinar no Ocidente já eram pessoas muito ocidentalizadas, como Swami Vivekananda. Além disso, tiveram que apresentá-la em uma forma adaptada para que fosse mais facilmente compreendida pela platéia. Por isso, seus seguidores rapidamente generalizaram o termo "Yoga" como sendo a Hatha Yoga e suas asanas (posturas).

Passou, então, a ser vista como uma forma de exercício, e passou a ser praticada somente no sentido físico. As informações pertinentes aos outros estágios e níveis mentais, ou não-físicos, que podem ser alcançados não foram ensinadas aos praticantes, que assim, não tiveram nenhum acesso à uma parte fundamental da prática.
Yoga é um sistema completo do qual o Hatha Yoga é uma pequena parte, embora importante, não é todo o propósito da Yoga.

Qualquer um pode aprender exercícios físicos mas, quando se entrar no reino não-físico, a menos que façamos uma desconstrução, é simplesmente impossível, porque a mente ocidental até que aceita essa idéia de "experiência pura", mas logo a transforma em ideologia ou crença.
Nas tradições orientais a experiência pura nada tem a ver com ideologia ou crença.

Nós ocidentais, embora tenhamos consciência de que a camada mais profunda da psique existe, nunca nos entregamos totalmente a ela, porque isto seria se deixar levar pelo mundo da loucura. Nós, ocidentais, temos muita dificuldade em ultrapassar os limites da consciência. E, isto é o que separa estes dois reinos.

Um yogui do Himalaia tem uma abordagem diferente. Para ele, a Yoga faz parte de um mundo mitológico. Ele vive toda a sua vida como uma expressão espontânea da livre circulação entre o consciente e o inconsciente. Seu estado normal é a mágica. Então, quando algo de onírico acontece, que nós, os ocidentais chamaríamos de mágica, o yogui do Himalaia chama, simplesmente, de "normal". Eles vivem numa outra dimensão mental, que para nós, ocidentais, é impossível imaginar.

A verdadeira Yoga transforma a psique, a deixa elástica. Quando a mente se expande para além dos níveis do consciente e subconsciente e assume esse fluxo superconsciente, acontece o alvorecer do conhecimento intuitivo.

Independente de qualquer coisa, praticada em parte ou no seu todo, todos os métodos de Yoga nos preparam para, eventualmente, conseguirmos chegar a esse estado de profunda paz interior.

Rick Ricardo - O Monge Ocidental
Exclusivo para o CULT CARIOCA

OS CÓDIGOS DO AFETO - Ivan Martins

Casais fazem coisas estranhas para mostrar que gostam

Tem gente que mia, tem gente que ronrona, tem gente que arrulha, como fazem as pombas. Intimidade tem dessas coisas. Quando você percebe, já está fazendo barulhinhos para o seu amor. Ao telefone, quando ela entra em casa, na cama. Muito antes disso, claro, já vieram os apelidos. Constrangedores, embaraços, irreveláveis. Neste particular, felizmente, nada tenho a declarar. Assim como o Romário, que nunca broxou, eu jamais chamei alguém de Jujubinha, ou coisa que o valha.

Vocês riem, mas eu me pergunto o que essas pequenas esquisitices revelam sobre nossas necessidades afetivas.

Uma delas, que me parece óbvia, é o brutal desejo de exclusividade. Não basta morar com a Joana e transar com ela três, quatro, cinco vezes por semana. Não basta sentar de mão dada com o João no cinema, escolher a camisa que ele vai usar no casamento, ouvi-lo desafinar em falsete embaixo do chuveiro.

A gente inventa um nome que é só nosso, um ruído que só a gente faz, uma intimidade que ninguém nuca teve ou terá com ele ou com ela. Nossos apelidos expressam a vontade de construir um mundo único, onde só caibam dois, onde tudo comece do zero, inclusive o nome de batismo e os balbucios.

Os pequenos jogos de casal também sugerem, para mim, o quanto a gente precisa de reafirmações de carinho. As formas normais de tratamento não são suficientes e os rituais comuns da vida adulta não dão conta. Escondidos, longe dos outros, inventamos maneiras ainda mais meigas de chamar um ao outro.

Sem planejamento e sem vergonha, recorremos a jeitos de falar e de nos comportar que explicitam os nossos sentimentos de um jeito meloso e ridículo, mas que sinaliza, para a outra metade, que estamos nessa com ela, unidos pelo mesmo sentimento. A gente não age como tolo apaixonado para qualquer um.

Para quem olha de fora, esse tipo de comportamento, além de cômico, tem outro traço evidente: ele parece infantil.

Adultos que se chamam de Bubinho e Bubinha estão agindo como crianças que aprendem a falar. Parece uma brincadeira, uma farsa destituída de desejo adulto. Afinal, nada menos erótico que bancar a criança, certo? Na verdade, errado.

Em 1905, o famoso médico austríaco Sigmund Freud escreveu que o erotismo dos adultos começa lá atrás, na infância, e está condenado a carregar sentimentos e memórias infantis. Logo, aquilo que você enxerga como gestos infantilóides na relação dos outros podem ser preliminares que eles inventaram para fazer sexo selvagem. A gente nunca sabe o que acontece na intimidade alheia.

Dito isso tudo, não se sinta mal se você, assim como eu, nunca teve alguém que coaxasse como perereca apaixonada para você. Há outras formas de mostrar amor, desejo e intimidade.

Se a gente estudasse os gestos de qualquer da relação perceberia que eles estão repletos de códigos privados. O tom de voz, a maneira de olhar, tocar ou não tocar os cabelos dela.

Cada uma dessas atitudes sinaliza uma disposição de espírito em relação ao outro. Passamos recados o tempo inteiro, com o nosso corpo inteiro, e não apenas com a voz. Dizemos “gosto e desejo” (ou o contrário disso) 50 vezes por dia. Talvez mais.

Se você não a chama de Totinha, nem ela chama você de Totão, procure em volta no dia-a-dia: vocês devem ter outras formas ainda mais secretas de reafirmar a intimidade.
_____________________________________


*****************

NOVE ANOS E AS COISAS SIMPLES - Cláudia Penteado

Complicar: arrevesar, dificultar, difícil, emaranhar, 
embaraçado, embaraçar, embrulhar, encrencar, enlaçar, enrascar, 
enredado, enredar, envolver, implicar e intricar.

A vida pode ser incrivelmente complicada. A convivência com a minha filha de nove anos me mostra que, realmente, sem medo do clichê, nós adultos temos a arte de complicar. E de tornar tudo incrivelmente massante e chato. Incluir o lúdico no dia a dia é algo que desaprendemos ao longo da vida. Eu simplesmente desaprendi. Volta e meia me deparo com a possibilidade de reencontrar este canal – e como funciona!

Meu marido frequentemente consegue transformar a hora de comer, por exemplo, numa grande brincadeira. E, entre jogos de adivinhação e outras brincadeiras, as garfadas vão sendo dadas e a comida some do prato da pequena sem que eu tenha que proferir qualquer ameaça. Meu lado germânico condena a prática, pois afinal de contas a vida não é uma grande brincadeira. O mundo real é cruel e desumano e temos que preparar nossos filhos para a vida com os pés bem fincados no chão!

Mas o fato inserir o lúdico no cotidiano é muito mais uma maneira mais leve de levar a vida – real, sim – do que fugir dela. É encará-la de frente com mais sabedoria. Menos chatice. Quando minha filha crescer, certamente terá impressos na mente os momentos gostosos que viveu ao redor da mesa com a família e tirará maior proveito disso do que dos dias em que teve de comer ao som da mãe ou da babá argumentando o quanto comer faz bem para a saúde, ou diante de alguma ameaça grave como a proibição iminente de usar o computador caso o prato não seja esvaziado a contento.

São atos de amor, afinal de contas, e eu me lembro bem de inúmeras vezes em que tive que comer sem vontade, para agradar a uma mãe ansiosa porque eu estava magra demais ou porque poderia ficar doente. Mas não posso negar que bom mesmo eram os cafés da manhã de Domingo, tantas vezes ao som de Mozart e quando o ato de comer mais parecia uma grande celebração da vida.

O prazer à mesa é certamente algo que desenvolvi com o tempo graças a rituais lúdicos frequentemente criados pelo meu pai, um grande apreciador da comida, capaz de transformá-la em algo memorável. O distanciamento eventual da massacrante rotina de tarefas que temos que cumprir – dentro da qual alimentar os filhos acaba entrando no hall de obrigações cotidianas – permite abrir os olhos para novas maneiras de fazer as mesmíssimas coisas. Acho que vale à pena dar-se a chance de tentar.

SORRISO DE MULHER - Carlos Ramalhete

Nada é mais belo que uma bela mulher. E nada é mais fascinante, nada lava mais completamente a alma, que o sorriso de uma bela mulher. Quando a dona deste sorriso – que, claro, não tem coração – nos rouba o nosso, então, temos o apogeu de toda a beleza da Criação. É fácil, fácil demais, atribuir esta percepção do Belo à necessidade biológica de encontrar uma parceira para a reprodução. Há isso também, mas há muito mais: a mulher completa o homem em níveis muito mais profundos, muito mais verdadeiros, que o meramente biológico, que o meramente psicológico.

O sorriso da mulher amada é um vislumbre da glória prometida, é uma janela que se abre a um infinito apenas vislumbrado. Não apenas por ser feminino, mas por ser um acesso ao Feminino, àquilo que nos completa, nos torna capazes de ser plenamente humanos.

Biologicamente, também, há evidentemente um sentido, ainda que raso: se o sorriso da mulher nos agrada, temos um incentivo subconsciente para protegê-la, agradá-la; fica ainda mais fácil tornar em ato o cavalheirismo instintivo que move todo homem diante de uma bela mulher. Mas, ao mesmo tempo, é um sorriso que nos civiliza, que tira as arestas deste mesmo cavalheirismo, que de fábrica vem um pouco desordenado. É o mesmo impulso de arrancar da mulher um sorriso que leva o homem à aventura, a deixar a testosterona tomar conta e partir para a guerra, para o salto de paraquedas, para a pilotagem em alta velocidade. E é aí a reação feminina daquela bela face preocupada, ou mesmo triste, que nos impede de perder, por excesso de macheza, a admiração da mulher amada.

É o sorriso feminino que nos impede de ter uma barba até o joelho, que apavora os fabricantes de pochetes, que impõe limites àquela estranha forma de selvageria que assola o homem só. Sem este sorriso o ogro desperta, a barriga de cerveja cresce, o pelame toma formas estranhas e inusitadas.

Com ele, civilizam-se os aspectos e as aventuras; as motocicletas ganham garupas, os jardins ganham flores, e o ogro retira-se às negras entranhas do subconsciente, de onde só sairá para defender o mesmo sorriso que o aprisionou.

As invenções do homem – do fogo e da roda às bombas termonucleares e aviões – são, no fundo, o fruto desta influência civilizadora que só pode ter o sorriso da mulher amada. Sem ele, nada somos. Com ele, o mundo é nosso. Sem ele caímos àqueles 97% dos genes comuns aos outros primatas. Com ele, subimos muito além dos 3% restantes: subimos ao Céu, prefigurado na terra por aquela boca, aquele olhar.

AMORES IDEAIS - Martha Medeiros

No filme A Garota Ideal, de 2007, o ator Ryan Gosling vive um cara tímido e introspectivo que compra uma boneca inflável, dá a ela o nome de Bianca e começa a tratá-la como a uma namorada de verdade. Cega, surda e muda, mas com um corpo, ele a leva para passear e a apresenta aos colegas, deixando todos perplexos com esse delírio.

Em determinada cena, uma vizinha, entrando no jogo do rapaz, presenteia a “namorada” dele com flores de plástico, deixando-o comovido: as flores durariam para sempre, como Bianca. Em sua cabeça, ele havia conquistado uma relação eterna, à prova de realidade.

Corta para o excelente Ela, filme em cartaz com Joaquin Phoenix vivendo um recém-divorciado que, solitário e carente, se apaixona pela voz de um sistema operacional – outro absurdo, mas é isso mesmo que acontece: ele fala com um smartphone através de um serviço de inteligência artificial que faz parecer que há, de fato, uma pessoa real batendo papo com o cara.

Dessa vez, não há um corpo, mas há uma voz feminina que pergunta, responde, conversa, faz declarações de amor, discute a relação, faz sexo por telefone, dá toda a pinta de que é humana – só que é outra “garota ideal” que não existe.

Em ambos os filmes, os protagonistas tratam as suplentes como gente: um leva a boneca para as refeições à mesa com a família, o outro leva o aparelho tagarela para um piquenique com um casal de amigos. A diferença entre os filmes é que, no primeiro, todos ao redor estão conscientes de que aquela maluquice é um caso isolado. Já em Ela, a situação é considerada normal, corriqueira até. Não duvide: em muito pouco tempo, estaremos namorando smartphones e quiçá casando com eles.

Se, no primeiro filme, o protagonista é um desajustado, no segundo é um homem sensível, romântico, que está apenas atravessando uma fossa e encontra na tecnologia uma forma aparentemente menos sofrida de se relacionar. Porém, havendo idealização, sempre haverá a dor da perda – mesmo entre um homem e uma máquina. A única forma de manter uma relação sem brigas, ciúmes e desencantos é não se envolvendo emocionalmente. Ou seja: quem almeja um romance perfeito, que abrace de vez a solidão, a única candidata à altura do projeto.

Parece ficção científica, mas o relacionamento entre pessoas reais e virtuais, que já acontece, não demora será convencional. Esse futuro está logo ali, dobrando a esquina. O artificial e o verdadeiro estão cada vez mais próximos e parecidos. Enquanto isso, o melhor é continuarmos nos virando com amores onde há cheiro, toque, pele, e que brotam e murcham, dois processos naturais da vida orgânica. Ao menos, poderemos guardar deles a lembrança das mãos que acariciaram nossos cabelos e dos beijos de boa noite.

O dia que um smartphone também fizer isso, eu caso.

QUEM NUNCA ERROU? - Adriana Calcanhoto

A tendência agora é pedir perdão muito tempo passado o caso, 
como o mea culpa da Igreja Católica

Desculpas sinceras. Expressão caída em desuso. Totalmente fora de moda. Foi mal, errei. Perdão, pronto. Não ouço isso. Não se tem vergonha de errar, mas admitir o erro não rola. Venho reparando, no elevador por exemplo, onde as pessoas que vão entrar não esperam mais as que estão lá saírem antes, o que é uma questão de civilidade, mas também de lógica, de física, de matemática, saem primeiro os que já estão dentro para que os que estão fora entrem no elevador vazio. Não é muito mais simples? A experiência já não se comprovou por si própria menos complicada assim? A questão não é de física, de matemática ou de história. O problema é falta de educação. Estamos vivendo o resultado de anos de desprezo pela educação, e agora, como produto desse descaso, o caos ético, aí sim uma simples lei da física.

O governo não comete erros. A oposição também não. A militância também não. Se há alguém que erra é o povo. Os médicos jamais erraram e erram cada dia menos porque há cada vez mais gente inferior em quem se pode despejar a culpa, foi o anestesista, foi a enfermeira, foi o paciente. No Brasil não existem erros médicos. Conheço só no Rio uns quatro doutores por quem passei, eu e muitas outras pessoas, que deveriam estar proibidos de exercer a medicina, senão presos, mas reclamar a quem? Ao chefe dos médicos? Quanto mais chefe, menos admitirá que outros médicos possam vir a errar, errar é para humanos. É normal que um cirurgião, rico e bem-sucedido, que atende em consultório da Zona Sul com tapetes espessos e esculturas caras, opere uma moça, esqueça dentro dela uma tesoura com gaze e, uma vez o exame de imagem comprovando o deslize, nunca mais atenda aos aflitos telefonemas de sua vítima? “Erro da instrumentadora”, mandou dizer lá de baixo da saia da mamãe. Errar não é humano, errar é o humano. Acontecem erros, mas quem é o responsável pela instrumentadora?

Quando trabalha-se em equipe o líder se responsabiliza por seu grupo, assume erros que não necessariamente ele, ou ela, chefe, hajam cometido. O líder diz “erramos” ou mesmo “errei” e segue em frente, para aprender com o erro e passar seu aprendizado adiante. Se ninguém assume os erros como poderá aprender com eles, que é para isso que eles servem? As erratas dos jornais são sempre em um cantinho admitindo uns errinhos de ortografia, no máximo.
A tendência agora é pedir perdão muito tempo passado o caso, como o mea culpa da Igreja Católica, pedindo desculpas por séculos de abusos de variadas formas, psicológicas, mentais e físicas, conhecidos mas negados e calados por trás de seu teatro cristalizado. A igreja não comete erros. No imbróglio relativo ao deputado Marcelo Freixo, O GLOBO conseguiu apenas dizer que nada tem contra o deputado, assim como este, em trecho de sua carta, muxixou não se sentir acima do bem e do mal. Enfim, o que interessa: Freixo chama a atenção para uma prática jornalística que ele denuncia: o fatal “o deputado nega”. O que concluímos naturalmente quando notícias e matérias fecham com “o deputado nega”? Ele está mentindo, pensamos. “O réu nega”, ou seja, o réu mente. “A compositora nega”. Ela mente. Negamos até a morte seja lá o que for. A militância comprada não erra. Mercenários não erram. Acidentes é que acontecem. “Nem sabia que aquilo era um rojão”.

Vi, em uma matéria de telejornal, brasileiros nas ruas respondendo ao repórter se tinham consciência da pequena corrupção cometida, flagrada naquele instante pelo jornalista, como jogar lixo no chão, avançar o sinal, dirigir embriagado, fazer gato de luz, comprar produtos piratas, o que tinham a dizer, por que haviam escolhido agir assim? Todos tinham uma desculpa, pensando somente em si, nem sequer cogitando que fechar o cruzamento reflete no trânsito da cidade, invade espaço e tempo dos outros. Outros? “É, tá errado, mas fazer o quê, né? Rererê”. “Todo mundo erra, rarará”. A autocomplacência é a bola da vez. Esse é o comando geral. Somos uma democracia, todo mundo pode errar, com ou sem intenção. Todo mundo tem direito de mentir, claro. Tive uma empregada, Tereza, que eu chamava de “Da praia” porque era lá que ela passava o dia, mas que vinha do sertão da Bahia e que a cada erro cometido, em vez de dizer “Adriana, desculpe, fui eu”, dizia: “não comi proteína na infância, não posso fazer nada”.

Fui deixando que ela ficasse no emprego porque achava graça nessa resposta ready-made, pronta para ser disparada a qualquer momento ante a menor provocação dentro ou fora de qualquer contexto. Depois comecei a achar que, por essa resposta e por ganhar aquele salário todo para passar o dia no Posto 8, ela devia ter comido não só proteína como glicose e nutrientes em excesso de modo geral, fiquei com medo de tanta esperteza, e nossa história acabou nesse momento.

O Brasil é patriarcal, e intuo que o código fundamental masculino do “negue até a morte” no quesito trair a mulher contaminou os demais aspectos da sociedade brasileira como uma bactéria. Já achava isso antes, mas agora meu ouvido anda saturado de não fui eu, não vi, nem sabia, ninguém me passou nada, o advogado nega, o miliciano nega, o policial nega, o doutor nega.

Será então que quando o “político nega” está representando só o partido e seus próprios interesses ou também, infelizmente, seus eleitores e suas pequenas corrupções, “quem nunca errou, moça?”. Senão vejamos, quem são os possíveis candidatos ao governo do Estado do Rio de Janeiro?

VIVEMOS TEMPOS LÍQUIDOS, NADA É PARA DURAR - Zygmunt Bauman

 Entrevista para a Revista Isto É, por Adriana Prado

Sociólogo polonês cria tese para justificar atual paranoia contra a violência e a instabilidade dos relacionamentos amorosos

O sociólogo polonês radicado na Inglaterra Zygmunt Bauman é um dos intelectuais mais respeitados e produtivos da atualidade. Aos 84 anos, escreveu mais de 50 livros. Dois dos mais recentes, “Vida a crédito” e “Capitalismo Parasitário” chegam ao Brasil pela Zahar. As quase duas dezenas de títulos já publicados no País pela editora venderam mais de 200 mil cópias. Um resultado e tanto para um teórico. Pode-se explicar o apelo de sua obra pela relativa simplicidade com que esmiúça aspectos diversos da “modernidade líquida”, seu conceito fundamental. É assim que ele se refere ao momento da História em que vivemos. Os tempos são “líquidos” porque tudo muda tão rapidamente. Nada é feito para durar, para ser “sólido”. Disso resultariam, entre outras questões, a obsessão pelo corpo ideal, o culto às celebridades, o endividamento geral, a paranóia com segurança e até a instabilidade dos relacionamentos amorosos. É um mundo de incertezas. E cada um por si. “Nossos ancestrais eram esperançosos: quando falavam de ‘progresso’, se referiam à perspectiva de cada dia ser melhor do que o anterior. Nós estamos assustados: ‘progresso’, para nós, significa uma constante ameaça de ser chutado para fora de um carro em aceleração”, afirma. Em entrevista à ISTOÉ, por e-mail, o professor emérito das universidades de Leeds, no Reino Unido, e de Varsóvia, na Polônia, falou também sobre temas que começou a estudar recentemente, mas são muito caros aos brasileiros: tráfico de drogas, favelas e violência policial.

O que caracteriza a “modernidade líquida”?

ZYGMUNT BAUMAN -
Líquidos mudam de forma muito rapidamente, sob a menor pressão. Na verdade, são incapazes de manter a mesma forma por muito tempo. No atual estágio “líquido” da modernidade, os líquidos são deliberadamente impedidos de se solidificarem. A temperatura elevada — ou seja, o impulso de transgredir, de substituir, de acelerar a circulação de mercadorias rentáveis — não dá ao fluxo uma oportunidade de abrandar, nem o tempo necessário para condensar e solidificar-se em formas estáveis, com uma maior expectativa de vida.

As pessoas estão conscientes dessa situação?

ZYGMUNT BAUMAN -
Acredito que todos estamos cientes disso, num grau ou outro. Pelo menos às vezes, quando uma catástrofe, natural ou provocada pelo homem, torna impossível ignorar as falhas. Portanto, não é uma questão de “abrir os olhos”. O verdadeiro problema é: quem é capaz de fazer o que deve ser feito para evitar o desastre que já podemos prever? O problema não é a nossa falta de conhecimento, mas a falta de um agente capaz de fazer o que o conhecimento nos diz ser necessário fazer, e urgentemente. Por exemplo: estamos todos conscientes das conseqüências apocalípticas do aquecimento do planeta. E todos estamos conscientes de que os recursos planetários serão incapazes de sustentar a nossa filosofia e prática de “crescimento econômico infinito” e de crescimento infinito do consumo. Sabemos que esses recursos estão rapidamente se aproximando de seu esgotamento. Estamos conscientes — mas e daí? Há poucos (ou nenhum) sinais de que, de própria vontade, estamos caminhando para mudar as formas de vida que estão na origem de todos esses problemas.

A atual crise financeira tem potencial para mudar a forma como vivemos?

ZYGMUNT BAUMAN -
Pode ter ou não. Primeiramente, a crise está longe de terminar. Ainda veremos suas conseqüências de longo prazo (um grande desemprego, entre outras). Em segundo lugar, as reações à crise não foram até agora animadoras. A resposta quase unânime dos governos foi de recapitalizar os bancos, para voltar ao “normal”. Mas foi precisamente esse “normal” o responsável pela atual crise. Essa reação significa armazenar problemas para o futuro. Mas a crise pode nos obrigar a mudar a maneira como vivemos. A recapitalização dos bancos e instituições de crédito resultou em dívidas públicas altíssimas, que precisão ser pagas pelos nossos filhos e netos — e isso pode empobrecer as próximas gerações. As dívidas exorbitantes podem levar a uma considerável redistribuição da riqueza. São os países ricos agora os mais endividados. De qualquer forma, não são as crises que mudam o mundo, e sim nossa reação a elas.

Ao se conectarem ao mundo pela internet, as pessoas estariam se desconectando da sua própria realidade?

ZYGMUNT BAUMAN -
Os contatos online têm uma vantagem sobre os offline: são mais fáceis e menos arriscados — o que muita gente acha atraente. Eles tornam mais fácil se conectar e se desconectar. Casos as coisas fiquem “quentes” demais para o conforto, você pode simplesmente desligar, sem necessidade de explicações complexas, sem inventar desculpas, sem censuras ou culpa. Atrás do seu laptop ou iPhone, com fones no ouvido, você pode se cortar fora dos desconfortos do mundo offline. Mas não há almoços grátis, como diz um provérbio inglês: se você ganha algo, perde alguma coisa. Entre as coisas perdidas estão as habilidades necessárias para estabelecer relações de confiança, as para o que der vier, na saúde ou na tristeza, com outras pessoas. Relações cujos encantos você nunca conhecerá a menos que pratique. O problema é que, quanto mais você busca fugir dos inconvenientes da vida offline, maior será a tendência a se desconectar.

E o que o senhor chama de “amor líquido”?

ZYGMUNT BAUMAN -
Amor líquido é um amor “até segundo aviso”, o amor a partir do padrão dos bens de consumo: mantenha-os enquanto eles te trouxerem satisfação e os substitua por outros que prometem ainda mais satisfação. O amor com um espectro de eliminação imediata e, assim, também de ansiedade permanente, pairando acima dele. Na sua forma “líquida”, o amor tenta substituir a qualidade por quantidade — mas isso nunca pode ser feito, como seus praticantes mais cedo ou mais tarde acabam percebendo. É bom lembrar que o amor não é um “objeto encontrado”, mas um produto de um longo e muitas vezes difícil esforço e de boa vontade.

Nesse contexto, ainda faz sentido sonhar com um relacionamento estável e duradouro?

ZYGMUNT BAUMAN -
Ambos os tipos de relacionamento têm suas próprias vantagens e riscos. Em um mundo “líquido”, em rápida mutação, “compromissos para a vida” podem se revelar como sendo promessas que não podem ser cumpridas — deixando de serem algo valioso para virarem dificuldades. O legado do passado, afinal, é a restrição mais grave que a vida pode impor à liberdade de escolha. Mas, por outro lado, como se pode lutar contra as adversidades do destino sozinho, sem a ajuda de amigos fiéis e dedicados, sem um companheiro de vida, pronto para compartilhar os altos e baixo? Nenhuma das duas variedades de relação é infalível. Mas a vida também não o é. Além disso, o valor de um relacionamento é medido não só pelo que ele oferece a você, mas também pelo que oferece aos seus parceiros. O melhor relacionamento imaginável é aquele em que ambos os parceiros praticam essa verdade.

O que explicaria o crescimento do consumo de antidepressivos?

ZYGMUNT BAUMAN -
Você colocou o dedo em um dos muitos sintomas da nossa crescente intolerância ao sofrimento – na verdade, uma intolerância a cada desconforto ou mesmo ligeira inconveniência. Em uma vida regulada por mercados consumidores, as pessoas passaram a acreditar que, para cada problema, há uma solução. E que esta solução pode ser comprada na loja. Que a tarefa do doente não é tanto usar sua habilidade para superar a dificuldade, mas para encontrar a loja certa que venda o produto certo que irá superar a dificuldade em seu lugar. Não foi provado que essa nova atitude diminui nossas dores. Mas foi provado, além de qualquer dúvida razoável, que a nossa induzida intolerância à dor é uma fonte inesgotável de lucros comerciais. Por essa razão, podemos esperar que essa nossa intolerância se agrave ainda mais, em vez de ser atenuada.

E a obsessão pelo corpo perfeito?

ZYGMUNT BAUMAN -
Não é o ideal de perfeição que lubrifica as engrenagens da indústria de cosméticos, mas o desejo de melhorar. E isso significa seguir a moda atual. Todos os aspectos da aparência corporal são, atualmente, objetos da moda, não apenas o cabelo ou a cor dos lábios, mas os tamanhos dos quadris ou dos seios. A “perfeição” significaria um fim a outras “melhorias”. Na cirurgia plástica, são oferecidos aos clientes cartões de “fidelidade”, garantindo um desconto nas sucessivas cirurgias que eles certamente irão realizar. Assim como a indústria de celebridades, a indústria cosmética não tem limites e a demanda por seus serviços pode, a princípio, se expandir infinitamente.

O que está por trás desse culto às celebridades?

ZYGMUNT BAUMAN -
Não é só uma questão de candidatos a celebridades e seu desejo por notoriedade. O que também é uma questão é que o “grande público” precisa de celebridades, de pessoas que estejam no centro das atenções. Pessoas que, na ausência de autoridades confiáveis, líderes, guias, professores, se oferecem como exemplos. Diante do enfraquecimento das comunidades, essas pessoas fornecem “assuntos-chave” em torno dos quais as quase-comunidades, mesmo que apenas por um breve momento, se condensam —para desmoronar logo depois e se recondensar em torno de outras celebridades momentâneas. É por isso que a indústria de celebridades está garantida contra todas as depressões econômicas.

Como fica o futuro nesse contexto de constantes mudanças?

ZYGMUNT BAUMAN -
Nossos ancestrais eram esperançosos: quando falavam de "progresso", se referiam à perspectiva de cada dia ser melhor do que o anterior. Nós estamos assustados: “progresso”, para nós, significa uma constante ameaça de ser chutado para fora de um carro em aceleração. De não descer ou embarcar a tempo. De não estar atualizado com a nova moda. De não abandonar rapidamente o suficiente habilidades e hábitos ultrapassados e de falhar ao desenvolver as novas habilidades e hábitos que os substituem. Além disso, ocupamos um mundo pautado pelo “agora”, que promete satisfações imediatas e ridiculariza todos os atrasos e esforços a longo prazo. Em um mundo composto de “agoras”, de momentos e episódios breves, não há espaço para a preocupação com “futuro”. Como diz um outro provérbio inglês: “Vamos cruzar essa ponte quando chegarmos a ela”. Mas quem pode dizer quando (e se) chegar e em que ponte?

Há cinco anos, a polícia de Londres matou o brasileiro Jean Charles de Menezes, alegando tê-lo confundido com um terrorista. Por que o mundo está tão paranóico com segurança?

ZYGMUNT BAUMAN -
Essa obsessão e a nossa gestão dos assuntos globais, responsável por reforçá-la, constituem a ameaça mais terrível à nossa segurança. O fantástico crescimento das “indústrias de segurança”, juntamente com a crescente suspeita de perigo que ela evoca, são motivos para antever uma piora das coisas. Se não por qualquer outro motivo, então porque, na lógica das armas de fogo, uma vez carregadas, em algum elas deverão ser descarregadas.

No Brasil, a violência é uma questão especialmente preocupante. Como o sr. enxerga isso?

ZYGMUNT BAUMAN -
Para começar, as favelas servem como uma lixeira para um número enorme de pessoas tornadas desnecessárias em partes do País onde suas fontes tradicionais de sustento foram destruídas — para quem o Estado não tinha nada a oferecer nem um plano de futuro. Mesmo que não declararem isso abertamente, as agências estatais devem estar felizes pelo fato de o povo nas favelas tomar os problemas em suas próprias mãos. Por exemplo, ao construir seus barracos rapidamente e de qualquer forma, usando materiais instáveis, encontrados ou roubados, na ausência de habitações planejadas e construídas pelas autoridades estaduais ou municipais para acomodá-los.

Essa ausência do Estado abriu espaço para os traficantes. O combate às quadrilhas às vezes é usado com justificativa para excessos da polícia. Por que tanta violência?

ZYGMUNT BAUMAN -
As relações entre a polícia e as empresas de tráfico de drogas são, na apropriada expressão de Bernardo Sorj (sociólogo brasileiro, professor da Universidade Federal do Rio), “nem de guerra nem de paz”. Esse amor e ódio entre as duas principais agências de terror aumenta o estigma da favela como o local da violência genocida. Ao mesmo tempo, porém, também contribui para a “funcionalidade” das favelas na manutenção do atual sistema de poder no Brasil. A polícia brasileira tem um longo histórico de tratamento brutal aos pobres, anterior à proliferação relativamente recente das favelas. A brutalidade da polícia é mesmo para ser espetacular. Como não é particularmente bem sucedida no combate à criminalidade e à corrupção, a polícia, para convencer a população de seu potencial coercitivo, deve assustá-la e coagi-la a ser passivamente obediente.

O sr. vê uma solução?

ZYGMUNT BAUMAN -
Algo está sendo feito, mesmo que, até agora, não seja suficiente para cortar um nó firmemente amarrado por décadas, senão séculos. Um exemplo é o Viva Rio (ONG que atua contra a violência). Pequenos passos, talvez, sopros não fortes o suficiente para romper a armadura do ressentimento mútuo e indiferença moral de anos entre “morro” e “asfalto” no Rio. Mas a escolha é, afinal, entre erguer paredes de pedra e aço ou o desmantelamento de cercas espirituais.

O que o sr. diria ao jovens?

ZYGMUNT BAUMAN -
Eu desejo que os jovens percebam razoavelmente cedo que há tanto significado na vida quando eles conseguem adicionar isso a ela através de esforço e dedicação. Que a árdua tarefa de compor uma vida não pode ser reduzida a adicionar episódios agradáveis. A vida é maior que a soma de seus momentos.

SEM INTIMIDADES - Luis Fernando Verissimo

A escrita nasceu da necessidade de não esquecer. O primeiro hominídeo que pensou "preciso me lembrar disto" deve ter olhado em volta e procurado alguma coisa que ele não sabia o que era. Era lápis e papel, que ainda não tinham sido inventados. A angústia primordial da humanidade foi a de perder o pensamento fugidio. Imagine quantas boas ideias não desapareceram para sempre por falta de algo que as retivesse na memória e no mundo. A história da civilização teria sido outra se, antes de inventar a roda, o homem tivesse inventado a Bic e o bloco de notas.

*

As espécies que não desenvolveram a escrita se valem da memória instintiva. O salmão sabe o caminho do lugar onde nasceu sem consultar um parente ou um mapa. Já o homem pode ser definido como o animal que precisa consultar as suas notas. Nas sociedades não letradas as lembranças sobrevivem na recitação familiar e nos mitos tribais, que são a memória ritualizada. Todas as outras dependem do memorando. Mas mesmo com todas as formas de anotações inventadas pelo homem desde o tempo das cavernas, inclusive, hoje, o "notebook" eletrônico, a angústia persiste.

*

O que está aí em cima é o resumo de um texto que escrevi há anos, depois de ter uma ideia para crônica, confiar que bastaria anotar uma frase para me lembrar da ideia - e imediatamente esquecê-la. Eu já havia desistido de ter um bloco de notas sempre à mão para o caso de sonhar com uma boa ideia ou ter um lampejo criativo, porque minha experiência era que nenhuma ideia sonhada resiste à luz do dia e os lampejos aproveitáveis aconteciam invariavelmente no chuveiro. Mas desta vez o lampejo foi num lugar seco e anotei a frase: "Conhece-te a ti mesmo, mas não fique íntimo". Boa, boa. Só que quando sentei para escrever a crônica a frase tinha perdido o sentido. Não me ajudava a me lembrar de nada. E não me lembrou de nada até agora, quando, por acaso, a vi escrita num bloco de notas antigo e finalmente me entendi.

*

O que eu quis dizer, eu acho, é que é positivo e saudável o ser humano se conhecer, desvendar todo os seus mistérios e exorcizar todas as suas culpas, com ou sem orientação cientifica ou religiosa. Ou será que é mesmo? Talvez o conselho mais prático e racional seja se conhecer, sim, mas evitar muita intimidade com esse ser que atende pelo nosso nome, tem os mesmos pais e o mesmo CPF, torce pelo mesmo time e nos levará junto quando morrer. Como em qualquer relacionamento humano, nas nossas relações com nós mesmos deve haver um certo recato, e cuidado para evitar mal-entendidos. Familiaridade demais pode gerar desprezo e revolta. Quem sabe o que nos espera lá no fundo sombrio, nos nossos mergulhos de autoconhecimento? Melhor ficar na superfície, que é mais clara e tranquila.
*
Junto com a frase anotada anos atrás há outra, também para me lembrar de uma ideia para crônica. A frase é: "O abacaxi é fruta a contragosto". Mas esta eu não tenho a menor ideia do que queria dizer.

Anúncio

Anúncio

NEUROCIÊNCIA SUPEROU A PSICANÁLIE - Ivan Izquierdo

NEUROCIÊNCIA SUPEROU A PSICANÁLIE - Ivan Izquierdo
A psicanálise foi superada pelos estudos em neurociência...