O MILAGRE DA VIDA BEM VIVIDA - Mônica El Bayeh

Meu maior temor não é morrer, 
mas desaparecer das lembranças
Descobrir que vai morrer na verdade não chega a ser uma grande descoberta. Afinal, é a única certeza que se tem em tudo. Morreremos, isso nos torna absolutamente iguais. O recheio que tecemos entre o nascimento e a morte é que produz a grande diferença.
Lisa Russell, inglesa, tinha 37 anos, um marido, duas filhas de oito e treze anos e um câncer de pulmão inoperável. Tempo de espera para o inevitável? Dezoito meses, se muito. É de desesperar. Mas desesperar custaria uns minutos a menos, pense bem.
Saber que tem um prazo a gente sabe. Mas quando carimbam a data de validade no seu corpo, a coisa muda de figura. O cronômetro ganha som e cada andada aflige. Algo parecido com ter de fazer um gol nos últimos segundos do segundo tempo. Acelera, vai com tudo e dá seu melhor. Ou pendura logo as chuteiras, entrega o jogo e se dá por vencido. Triste se dar por vencido, né? Já morre antes, por conta.
Não me importo muito de morrer. Não que eu queira, não tenho a menor pressa. Que fique bem claro. Temo o sofrimento, não a morte propriamente dita. Porque, se tiver prorrogação e vidas após a morte, vai ser beleza. Se não tiver, é game over. Não vou nem saber mesmo, então está tranquilo também.
O pior da morte, pelo menos para mim, é imaginar os meus filhos sentindo falta de mim. Sou facilmente substituível em todo o resto. Mas deixar filho sozinho é minha pior agonia.
Lisa já havia perdido a mãe muito nova. E dela só tinha a vaga lembrança. A possibilidade de que o tempo fosse amarelando sua própria lembrança junto com as fotos lhe doeu. Ser esquecida é duro.  Mas não poder ficar na lembrança de quem tanto se amou, é ainda pior.
Foi assim que Lisa deu um cavalo de pau na sua história. Deve ter chorado, sim e muito. Não tinha a vida toda. Mas investiu na vida possível. Aproveitaria o que tinha, em vez de sentar e chorar pelo que não teria mais. Felicidade é decisão interna. Independe de dinheiro, fama, e pelo visto, saúde também. Lisa decidiu com o marido que construiriam juntos as melhores memórias de um tempo feliz.
Eles tinham um dinheiro guardado. Engraçado é que o hábito é poupar para imprevistos. Nos imprevistos, geralmente, o que nos vem à mente é desgraça. Poupamos para desgraças? Para coisas ruins que podem nos acontecer? É bom ter reservas para qualquer eventualidade.
Lisa se submeteu à quimioterapia. Ficou careca. Mas não se entregou. Planejaram viagens. Pegaram as filhas e viajaram para Lanzarote, Bulgária e Turquia. Resolveram casar de novo, para que as filhas pudessem participar da cerimônia. Comemoraram tão intensamente a vida que lhes restava que o tumor diminuiu a ponto de quase não ser mais visível.  E o risco de morte foi descartado.
Milagre? É o milagre da vida. A vida bem vivida faz milagres em todos nós. Vejo mágoa virar doença, se cristalizar em todo tipo de mal e de dor. Temos nossas coleções de mágoas e desilusões. Vamos espalhando descuidadamente pelo caminho. Como roupa suja, usada, esperando o dia de lavar. Não lavamos. Nem recolhemos.
Carpimos despudoradamente, gastamos um tempo mais precioso do que se imagina. Será que o contrário é verdadeiro e felicidade cura? Será que o amor pela vida produz mais tempo de vida?
Seríamos um espécie de bomba-relógio pronta a se autodestruir ou, ao contrário, se auto reconstruir? Porque, se for assim, vale o investimento na opção de ser feliz. E mergulhar mesmo com medo, quando a vida convidar.
Há religiões que acreditam que os desafios vêm para que a gente aprenda, melhore, cresça. Nem sempre a gente percebe. Muitas vezes é bem difícil mesmo e, ao invés de melhorar, a gente encrua. Mas se é viver ou viver, que se desfrute plenamente nossa melhor e única opção.
O amor adoça as lembranças amargas que se cristalizam e nos adoecem. O cuidado e a delicadeza de querer se bordar na memória alheia, passando por cima de todo o medo e de toda a dor, isso é prova de amor. O amor cura.
______

Anúncio

Anúncio

NEUROCIÊNCIA SUPEROU A PSICANÁLIE - Ivan Izquierdo

NEUROCIÊNCIA SUPEROU A PSICANÁLIE - Ivan Izquierdo
A psicanálise foi superada pelos estudos em neurociência...