TODA A FORMA DE AMOR VALE A PENA - Hélio Schwartsman

Aceito a provocação de meu colega João Pereira Coutinho e, já que Obama não vai fazê-lo, defendo hoje a poligamia e outras variações mais extravagantes do amor.

Tenho uma proposta que resolve de vez toda a novela em torno do casamento gay e questões correlatas: basta o Estado pular fora do ramo das núpcias e reconhecer apenas uniões civis, sejam elas entre homem e mulher, pares do mesmo sexo e as múltiplas possibilidades combinatórias.

O problema de fundo é que o casamento hoje reúne duas funções totalmente distintas: uma contratual, com consequências jurídicas, e outra de reconhecimento social, com implicações para o status das pessoas. Do ponto de vista do Estado, apenas a primeira, que envolve assuntos como sucessão, guarda de filhos e direitos previdenciários, tem relevância, mas é a segunda que responde pela maior parte das desavenças.

A dupla função tem razões históricas. Antigamente, o casamento funcionava como uma espécie de licença para fazer sexo e ter filhos. Só que, com a ampliação dos direitos individuais, que teve início em fins do século 18, essa função social se tornou anacrônica. Ao menos no Ocidente, o sexo consensual entre adultos é um direito inquestionável que independe de licença prévia. Eliminar a ambiguidade, fazendo com que o poder público se atenha aos aspectos jurídicos das uniões e deixando o casamento para instituições de direito privado, resolveria o "imbróglio".

Todos estariam livres para praticá-lo da forma que quisessem. Os católicos, por exemplo, continuariam a oferecê-lo só a pares heterossexuais e em caráter indissolúvel, enquanto a ABGLT poderia criar os rituais que desejasse para contemplar os homossexuais. Quanto aos polígamos, que mantêm um(a) ou mais amantes (o que não é ilegal, frise-se), desde que inventemos uma fórmula jurídica para não onerar demais a Previdência, também eles poderiam finalmente gozar das delícias do casamento.
_______________________

A LEI DO KARMA OU DE CAUSA E EFEITO - Deepak Chopra

O carma é, ao mesmo tempo, a ação 
e a consequência dela.

Todos já ouviram a expressão: "Colherás aquilo que semeastes"
Se quisermos felicidade em nossa vida, precisamos aprender a semear felicidade.

Portanto, a lei do carma implica a ação de fazer escolhas conscientes.
Quando escolhemos ações que levam a felicidade e sucesso aos outros,
o fruto do nosso carma será o mesmo.

A cada momento temos acesso a uma infinidade de escolhas.
Algumas delas são feitas de forma consciente, outras não.

Infelizmente, muitas de nossas escolhas, por terem sido feitas sem consciência, não nos parecem escolhas - no entanto, são.

A melhor forma de usar a "lei do carma" é se distanciar e testemunhar as escolhas que você está fazendo a cada momento.

Quando fizer uma opção, pergunte a si mesmo duas coisas: " Quais são as consequências dessa escolha?" e " Será que a escolha que estou fazendo vai trazer felicidade para mim e para os que me cercam?"

Sempre há uma opção que vai criar o máximo de felicidade para você e seu entorno. Essa opção é a ação espontânea e correta, porque é a AÇÃO que alimenta a você e a todos os outros influenciados por ela.

Anúncio

Anúncio