A PERCEPÇÃO DO TEMPO MUDA DE ACORDO COM A LÍNGUA - Juliana Domingos de Lima

Estudo recente feito por linguistas mostra que os idiomas influenciam nossa forma de vivenciar o tempo.

Línguas diferentes descrevem o tempo de maneiras distintas - e as palavras usadas para falar sobre ele moldam nossa percepção de sua passagem.

O estudo “The Whorfian Time Warp: Representing Duration Through the Language Hourglass” (Distorção temporal whorfiana: representando duração por meio da ampulheta da língua, em português), publicado no jornal da APA (Associação Americana de Psicologia), mostra que conceitos abstratos, como a percepção da duração do tempo, não são universais.

Ao contrário, a forma como pensamos e representamos mentalmente esses conceitos temporais varia de acordo com a língua (ou as línguas) que se fala. “A língua pode ter um papel poderoso na transformação da experiência psíquica e física do tempo pelos seres humanos”, escrevem os pesquisadores no estudo. Para o artigo, os linguistas Emanuel Bylund, da Universidade de Estocolmo (Suécia), e Panos Athanasopoulos, da Universidade de Lancaster (Reino Unido), realizaram experimentos com falantes bilíngues e monolíngues de espanhol e sueco.

Os autores não só verificaram uma mudança da percepção temporal conforme a língua falada como observaram que a transição de uma língua para outra por um mesmo indivíduo modificava sua estimativa de uma duração de tempo. Isso implica que visões diferentes de tempo convivem no cérebro de um indivíduo bilíngue.

Noções distintas de tempo

Como não vemos o tempo, temos uma tendência a associá-lo a conceitos espaciais, diz o estudo. Ao mesmo tempo, ele estabelece diferenças entre a representação do tempo em algumas línguas. Falantes de inglês e sueco, por exemplo, falam de tempo usando os termos “longo” e “curto”, que remetem a distância. Quem fala grego e espanhol, por outro lado, se refere a uma duração de tempo em termos de quantidade e volume, usando palavras como “grande” ou “pequeno”. 

Essa variação de termos é que faz variar também a representação mental e a percepção que se tem do tempo. Para os três experimentos realizados no estudo, os participantes — nativos em língua sueca, nativos em língua espanhola ou bilíngues — eram solicitados a avaliar a duração de dois vídeos animados. Um deles mostrava um contêiner ser preenchido gradualmente com líquido, e o outro, uma linha que ia aumentando de tamanho na tela. A expectativa dos pesquisadores era que, se falantes de língua espanhola falam de duração como quantidade, sua estimativa de tempo sofreria maior impacto pelo preenchimento do contêiner do que no caso dos suecos.

Analogamente, a distância da linha que crescia na animação deveria impactar mais a estimativa dos suecos do que dos espanhóis.

Etapas do estudo:

EXPERIMENTO 1 -  
Nessa primeira etapa, 40 falantes nativos de espanhol e 40 falantes nativos de sueco foram aleatoriamente designados a assistirem a uma das animações. Individualmente, eram perguntados, em sua própria língua, quanto tempo o estímulo da animação havia durado. Em um computador, deveriam assinalar a duração estimada, e o símbolo da ampulheta aparecia acompanhado da palavra “duração” (“tid” em sueco e “duración” em espanhol). Também deveriam descrever o que tinham assistido, o que indicaria a percepção de tempo que possuem.

EXPERIMENTO 2 -  
Outros 40 falantes nativos de espanhol e 40 de sueco foram submetidos ao mesmo procedimento, com os mesmos materiais do procedimento anterior, sem que fossem usadas palavras junto aos símbolos com que, no computador, deveriam assinalar uma resposta às perguntas. O objetivo, nesse caso, era suprimir a indicação verbal.

EXPERIMENTO 3 -  
Dessa vez, 74 falantes bilíngues de espanhol e sueco foram submetidos aos vídeos do contêiner e da linha. No momento de responderem à pergunta, alguns se depararam com palavras em sueco, e outros, em espanhol. A interação com os estímulos mudou significativamente dependendo da língua na qual o participante era induzido a pensar.

Os resultados comprovaram influência da língua usada na representação da passagem do tempo. E que aprender uma segunda língua beneficia o falante com uma percepção nova do tempo.

“Ao aprender uma língua nova, você se adapta de repente a dimensões da percepção às quais não tinha acesso antes”, diz Athanasopoulos, um dos autores do estudo. Os participantes bilíngues se mostraram capazes de perceber a passagem do tempo como distância e como volume simultaneamente.

“O fato de que pessoas bilíngues transitam entre essas diferentes formas de estimar o tempo sem esforço e inconscientemente se encaixa nas evidências crescentes que demonstram a facilidade com que a linguagem se entremeia furtivamente em nossos sentidos mais básicos, incluindo nossas emoções, percepção visual e, agora, ao que parece, nossa sensação de tempo”, disse o pesquisador ao site Quartz.

Anúncio

Postagens mais visitadas