ANESTESIOLOGISTAS DESCOBREM UM TERCEIRO ESTADO DE CONSCIÊNCIA

 
Segundo o professor Pandit, anestesista da University Hospitals, em Oxford, há um terceiro estado de consciência em que alguns pacientes se refugiam quando são submetidos à anestesia geral.

Segundo Pandit, a possibilidade de uma terceira dimensão da consciência deriva principalmente da variabilidade da especialidade médica . Ninguém pode ter certeza absoluta de que os medicamentos fornecidos tiveram o efeito esperado.

É muito difícil individualizar o medicamento certo e a quantidade precisa para cada paciente, mesmo após anos e anos de treinamento e experiência nas salas de operações.

É possível acordar durante uma anestesia geral?
Sim, é possível acordar durante uma operação cirúrgica, embora não completamente . Estamos nesse terceiro estado de consciência que o Professor Pandit descreve em seus estudos. Claramente, não estamos acordados , não podemos nos mover ou nos comunicar, mas não somos completamente insensíveis aos impulsos externos.

Tem sido chamado de disestesia, é um estado em que o paciente não está consciente nem completamente inconsciente. Afeta uma pequena parte dos pacientes que entram em uma sala de cirurgia e são submetidos a anestesia geral.

Mesmo assim, é um fato que preocupa os profissionais. O paciente está ciente da operação e tudo o que acontece ao seu redor, mas ele não pode fazer nada sobre isso.

Mas não se assuste, segundo as estatísticas, apenas um paciente entre 15.000 diz lembrar de um episódio relacionado à operação depois de ter acordado. São aqueles pacientes que, após receberem anestesia, nunca atingem a inconsciência completa.

Foi demonstrado que o terceiro estado de consciência existe
O Dr. Padit é considerado um dos melhores anestesiologistas de seu país e concentrou sua pesquisa no estudo da disestesia. Esta descoberta demonstra claramente os métodos atuais de monitoramento durante a intervenção.

Os anestesiologistas controlam a freqüência cardíaca, a pressão arterial , a respiração, a concentração de drogas no sangue, etc., mas tudo isso parece ser insuficiente para assegurar o estado de inconsciência completa do paciente durante a intervenção cirúrgica.

Alguns sintomas do despertar, como o aumento da freqüência cardíaca ou da pressão sanguínea, devem alertar os médicos, mas, com frequência, esses sinais fisiológicos podem ser desativados por medicamentos administrados durante a operação.

A demonstração empírica
O prestigiado anestesiologista recorreu a uma velha técnica que permite paralisar todo o corpo, menos um dos antebraços, para mostrar que é possível. Um terço dos pacientes, aparentemente inconscientes durante a intervenção, movimentou os dedos do braço livre em resposta às ordens diretas.

“Com efeito, esses pacientes estão em um estado de inconsciência, ainda pode responder a alguns estímulos externos, tais como ordens verbais” – disse o Dr. Pandit- “O que é extraordinário é que os dedos se movem somente se ele os ordena. Nenhum paciente reagiu à operação cirúrgica. Eles provavelmente não sentem dor “.
Do site La Mente es Maravillosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário

Anúncio

Anúncio

NEUROCIÊNCIA SUPEROU A PSICANÁLIE - Ivan Izquierdo

NEUROCIÊNCIA SUPEROU A PSICANÁLIE - Ivan Izquierdo
A psicanálise foi superada pelos estudos em neurociência...