Postagem em destaque

ENCERRANDO CICLOS - Glória Hurtado

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a ...

A ETERNIDADE DE CADA UM - Edmir Saint-Clair

Entre o sono e a vigília existe uma outra dimensão pela
 qual passamos todos os dias quando adormecemos. 

Geralmente, a transpomos em milionésimos de segundos. Um átimo entre estar desperto e adormecido. Uma região desconhecida. Outra dimensão, onde não somos. Onde não há tempo, há apenas a eternidade. Todos os dias passamos pela eternidade.

Aquela sensação de estar caindo e acordar assustado durante a queda é entrar no entre e demorar-se demais em atravessá-lo, escorregando de volta. É a sensação forte da presença de alguém que nos faz resvalar de volta e acordar com a sensação de estar perdido. É adormecer abraçado a quem se ama e prolongar aquela sensação de êxtase que se confunde com o sonho.

O sonho com alguém que se foi não é sonho. Porque no entre não existe tempo.

A mente humana é capaz de criar sua própria realidade. A ponto de não podermos afirmar, com absoluta certeza, que o mundo que vemos é real ou uma mera idealização pessoal balizada pelas crenças culturais, religiosas e milhares de outros vetores e variáveis. O mundo pode ser somente a nossa versão, individual. E, é muito provável que seja.

Uma das mais novas teorias a respeito de vida após a morte encara corajosamente o tema. Essa teoria parte do pressuposto que a realidade da mente é criada por ela própria, portanto,  ela pode criar seu próprio infinito, sua própria eternidade, já que é capaz de criar um tempo próprio.

No sonho, o tempo passa de forma completamente distinta da vida real. Verdadeiras sagas são “vividas” (sonhadas) no espaço de um par de horas. Nos sonhos, distâncias geográficas são transpostas sem nenhum respeito às leis conhecidas da física. 

Há quem afirme que a vidência, a psicografia e outros fenômenos possam acontecer com pessoas que conseguem parar nesse espaço entreNessa outra dimensão onde não existe tempo. Onde a mente não precisa do corpo. Onde as almas se encontram.

Se nossa mente consegue criar uma ilusão tão real a ponto de transgredir a noção de tempo, poderia perfeitamente criar uma eternidade própria. É sabido que no momento anterior a morte, já descrita inúmeras vezes por pessoas que estiveram nesse limite, até a paralisação total da vida nas células do corpo, transcorrem muitas horas. Nesse ínterim é perfeitamente possível que nossa mente crie e "viva" a própria eternidade.

Se em sua mente, de acordo com suas crenças profundas, você foi fiel a si mesmo, ao que acredita, sua mente irá “fabricar” sua eternidade de acordo com essa visão e conceito que tem de si mesmo. É o seu julgamento final e o juiz é você mesmo. Se você acredita profundamente que irá encontrar um ente querido quando morrer, provavelmente, você o encontrará.

Por isso, é melhor cuidarmos de nossas mentes, de nossas eternidades. De nossa autoestima. É ela que vai criar nosso inferno ou nosso paraíso, no qual viveremos essa última etapa, a nossa eternidade. O que nossa mente acredita, as crenças mais profundas sobre si mesmo e a visão positiva das próprias atitudes durante a vida, são as matérias primas com as quais será construída a eternidade de cada um. Construir nossas mentes para que, no momento certo, ela possa construir o próprio paraíso, pessoal e intransferível, é nosso maior desafio.

No último momento de vida são nossas mentes que irão construir o lugar onde viveremos nossa eternidade. Cada um a sua, pessoal e intransferível. 
_____________________________________________________________
________________________________________

https://amzn.to/2oP20S4
_____________________________________________________________
________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário

RACISMO AQUI NÃO!

RACISMO AQUI NÃO!

Anúncio

Anúncio