Mostrando postagens com marcador André Albuquerque. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador André Albuquerque. Mostrar todas as postagens

TROPEÇOS VOLUNTÁRIOS – André Albuquerque


Andar descalço em brasa quente,
se ferir nos espinhos de uma rosa,
beijar a naja com desejo ardente,
recitar mulher alheia em verso e prosa...

Brincar de vez em quando com a sorte,
perder a razão e jogar a vida quase fora,
abdicar da sanidade, caminhar com a morte,
feito criança que não vê o passar da hora.

Arriscar, tropeçar, se machucar, perder o norte,
pedir aquele prazer sem hora marcada,
um beijo roubado na madrugada,
um abraço no pôr do sol de qualquer sorte.

Viver é se arriscar por um chocolate,
Viver, acima de tudo é ter o que saborear,
é olhar para a ferida e poder lembrar,
que a dor valeu a pena em cada instante.

A PROCURA - André Albuquerque

Ao abrir os olhos percebi que era dia, na verdade bem cedo, mais ou menos entre cinco e seis da manhã. Desconfiei disso pois a rua era silenciosa e as lojas não haviam erguido as portas. Senti que chovia e a chuva molhava o meu rosto que repousava sobre o paralelepípedo molhado. Meu rosto formigava, aliás todo o meu corpo formigava. Além da chuva que caia gelada em minhas costas, podia sentir também a presença de outra substância, esta, mais viscosa e quente que a outra, brotando pelo orifício feito em minha têmpora. Não sentia dor, mas sim uma enorme aflição por não conseguir me mover. Em um esforço sobre-humano girei os olhos para ver o que acontecia à minha volta. Conseguia perceber então a grande quantidade de sangue que se misturava à massa cinzenta que se espalhava ao meu redor. Em um reflexo primitivo quis ingenuamente catar toda aquela gosma e tapar o buraco feito em minha cabeça. Aos poucos, podia ouvir alguns passos a minha volta, falatórios, sirenes e de repente um saco preto sobre meu corpo, mas ainda podia ouvi-los do lado de fora.

Não me lembro o que aconteceu, tão pouco o meu nome ou endereço, a última coisa gravada em minha retina foi aquele garoto que me olhava assustado e corria pra bem longe. As vozes vindas de fora falavam que ouviram quatro tiros vindos desse lugar que me encontro.

Conseguia ver somente alguns detalhes sobre minha pessoa, via por exemplo que segurava com a mão esquerda uma maleta, que deixava escapar uma papelada sobre o chão molhado, a abotoadura que se prendia a camisa social sob o paletó preto e a generosa aliança de ouro em meu dedo anelar. Sentia também um volume sob meu peito como se tivesse caído sobre uma pedra ou coisa assim. Um pouco acima da minha cabeça, mais precisamente sobre minha massa encefálica, boiava um óculos de grau com as lentes quebradas. Não conseguia ver a parte posterior do meu corpo, mas podia sentir que segurava alguma coisa metálica com a outra mão. E misturando-se àquela papelada uma foto em desfoque me chamou atenção, nesta, uma jovem mulher beijava um homem na boca. Lentamente algumas lembranças começaram a surgir em preto e branco, flashes me fizeram acreditar que pudesse ser aquele homem.

Então alguns detalhes dessa mulher começaram a surgir em minha mente, assim como seu cheiro, o belo sorriso, os lábios quentes em meus ouvidos, o toque de sua pele. Repentinamente vi sua imagem esguia correndo em desalinho sob a chuva, os postes iluminando o asfalto molhado, o pânico estampado em seu olhar e aquele homem sem rosto seguindo seus passos bem de perto. Era como se eu montasse um quebra-cabeça incompleto e contra o relógio, mas pude ter a certeza de conhecer aquela mulher e entender que corria perigo. Reparei também, um pouco abaixo dos meus olhos, um cartão de visitas respingado de sangue, nele, o logotipo sob a forma de lupa me fez lembrar daquele homem atrás da mesa. Ainda posso ver aquele homem gordo à minha frente, seu óculos escuro a esconder propositalmente o olhar, a gravata em desalinho, os pés cruzados sobre a mesa e nas mãos aquele envelope de papel pardo o qual me entregava. Naquela hora tive uma vontade súbita de mata-lo, sei que tentava separar-me de minha mulher, sim, minha mulher, posso sentir isso agora. Lembro-me do dia que a conheci naquela casa noturna, seu olhar predatório por detrás do copo de Vodka me abateu como uma presa fácil. Lembro-me de ter aberto o envelope e visto aquela foto, a foto na qual a beijava na boca, porém o ódio invadiu meu peito repentinamente.

Precisava de uma arma pra acabar com a vida daquele sujeito, uma arma compacta que coubesse na manga do paletó, de preferência automática para disparar um tiro após o outro. Estranhamente senti minha perna vibrando e além das vibrações ouvia um alarme ecoando pelo bolso da calça, estava na hora do remédio, posso lembrar agora. Tomava regularmente um antidepressivo, o celular me avisava diariamente. Paroxetina 50mg, o suficiente para deixar um homem broxa. Foi o primeiro tiro que levei, direto em minha honra. A insegurança me fazia vasculhar suas coisas, a mensagem em seu celular naquele dia me deixou confuso, lembro-me do tom ameaçador daquele texto ainda nublado em minha mente, “vou te matar de todas as formas”, é só do que me lembro.

Mas qual seria o motivo da ameaça, algum segredo sobre o passado que a deixava vulnerável? Aquele homem gordo por detrás da mesa me cobrou caro pelo envelope e provavelmente a extorquia por isso.

De repente uma onda de frio começava a varrer meu corpo, lá da ponta dos pés ela se propagava lentamente afogando aos poucos qualquer esperança de vida. Ironicamente, lembrei-me da sensação da impotência e dos momentos ao lado daquela mulher, seu corpo quente procurando o prazer sobre o meu corpo inerte, a paralisia dos meus desejos, a angústia infinita em seu olhar e o barulho do silêncio que atravessava a noite. Inesperadamente, algumas lembranças começaram a brotar na minha cabeça vindas lá da infância. Posso ver agora em meu colo aquela bolinha branca de pelo suja de sangue dando seus últimos suspiros, o animal de estimação que tanto amava agonizava à minha frente. Minhas mãos de criança igualmente sujas de sangue cavavam a pequena sepultura no quintal de casa, enquanto às lágrimas se misturavam a cada punhado de terra retirado, cerimônia de uma só testemunha, segredo que mantive até hoje. Preferi assim à vê-lo ir embora, pelo menos saberia sempre onde encontra-lo.

Aos poucos, as coisas começavam a fazer sentido, a imagem daquele homem sem rosto ficava nítida à minha frente, a última peça do quebra-cabeça havia se encaixado, a minha própria fisionomia na pele do assassino. Depois de receber a prova da traição das mãos do homem que contratei, decidi segui-la bem de perto, acabar de vez com tudo aquilo e com quatro tiros selei nosso destino, três direto em seu peito e um bem na minha cabeça. Logo depois pude ver a imagem daquele garoto que me olhava assustado e corria pra bem longe, imagem da criança que fui um dia, criança essa que deixei enterrada também, junto ao medo de vê-la novamente. Sei que agora é noite ou bem cedo, desconfio disso, pois as luzes começaram a se apagar, meu corpo parecia escoar para dentro dos bueiros com as águas da chuva e seu corpo sob o meu era duro como pedra. Não sei se retiraram aquele saco preto que nos cobria pois agora tudo estava definitivamente escuro, mas você estava ali no meu colo como aquele bichinho de estimação que tanto amava. E como naquele dia, preferi que fosse assim à vê-la indo embora para sempre, pelo menos sei que apesar de toda inércia de meu corpo, pude proporcionar o último suspiro de sua vida.

A SOMBRA - André Albuquerque

Fui acordado naquela madrugada pela música que conhecíamos tão bem, trilha sonora do nosso amor inesquecível, vinda da janela à frente, atravessando a cortina iluminada pela tênue luz amarela, revelando a silhueta esguia a insinuar-se para mim.

Sabia que era você, mesmo depois de trinta anos continuava bela e desejável como sempre. Podia vê-la sentada, apoiando os calcanhares ligeiramente afastados sobre o parapeito daquela janela. Suas mãos deslizavam por entre as coxas dizendo em carícias que eu ainda morava ali. Pude sentir o gosto de seu sexo em minha boca e seus dedos molhados percorreram meus lábios como quisessem escrever, eu te amo. Solidão, amargura e rancores apagaram as luzes, não mais pude vê-la, só o choro ecoava pela janela de seu quarto. Não sei por que te abandonei um dia, privação dos sentidos, medo talvez... A verdade é que se passaram trinta anos assim, num piscar de olhos. 


Curiosamente, meu reflexo no espelho não acompanhou esse período, continuo jovem como sempre, com a mesma irreverência no olhar que a fez apaixonada por mim. No dia seguinte decidi segui-la, acompanhar sua rotina, descobrir você. Há alguns passos atrás observava seu andar contido, que tentava esconder aquela outra mulher que conhecemos tão bem. Poderia até adivinhar a lingerie que usava sob a saia comportada, provavelmente vermelha, mínima, de puta. Às vezes, parecia olhar sobre os ombros como estivesse a minha procura. Ao entrar naquela loja de calçados escondi-me do lado de fora, de maneira que só eu pudesse observá-la. Percebi que ainda gostava dos scarpins salto médio, couro legítimo e levemente afilado nas pontas. Mulher de bom gosto se conhece pelos pés, das unhas até aos sapatos. Foi quando em um descuido proposital no cruzar de pernas você confirmou minhas suspeitas: vermelha, mínima, de puta.


Mais uma vez aquela música me chamava às janelas de seu quarto agora se mostravam completamente abertas. Pude vê-la vestindo um penhoar transparente que revelava a silhueta nua daquela fantástica mulher de cinquenta. Então a cena se repetia calcanhares na janela, pernas displicentemente afastadas me convidando para entrar. 


Seu desejo então veio ao meu encontro e quando percebi não havia mais distâncias entre nós, o que conhecia como meu espaço agora se transformava naquele lugar que antes observava. Da mesma forma, já era difícil distinguir minha própria geografia, vi-me estimulando meu órgão feminino enquanto aquele, que há pouco considerava ser eu, manipulava o membro rijo de desejo à minha frente. Pude sentir o prazer fluindo do meu corpo como o único fragmento daquele amor antigo, o prazer que me trazia de volta a sua vida e depois a arremessava em um vazio profundo, vazio esse que corroia a alma, me fazendo lembrar o quanto fui nocivo, mas que ainda entendia como ninguém seus pensamentos. 


Alguns dias depois te vi de mãos dadas nas ruas, cabelos grisalhos e sapatos bem engraxados compunham a imagem do homem formal ao seu lado. Gestos suaves ao abrir a porta do carro se diferenciavam daquele que a mandava subir na garupa e arrancava para um lugar qualquer. Este homem que te leva para casa não sabe os caminhos de seu corpo... Mesmo assim vou continuar por perto, atenderei ao chamado nostálgico de seu olhar. Sei que irá deixar a porta de sua casa entreaberta, para que eu possa me esconder naquele lugar que reservou carinhosamente para mim. Pude então observar aquele homem a colocar Billie Holiday na vitrola, girar elegantemente a taça de vinho e sorver o bouquet.


Suavemente acariciava sua face e dizia o quanto lhe amava. Porém, seus olhos que conhecia tão bem não me enganaram, trocaria tudo isso por um bom e sonoro tapa na bunda. A meretriz que há trinta anos se esconde sob sua pele surgiu das entranhas. Seu corpo pedia o escracho, a violação extrema, a falta de respeito para com todos os orifícios. Repentinamente materializei-me sobre você e te levei por lugares que só nós conhecíamos. Como no dia em que fizemos amor à frente daquela criança recém-nascida, seus olhinhos nos miravam através do berço de madeira com uma inocência que abençoava toda a libidinagem. Posso ainda ouvir o choro pueril ao misturar-se aos seus gemidos nos embalando a um gozo quase espiritual. Lembrança essa que faz o peso de suas escolhas mais leve e ao mesmo tempo, te deixa a mercê daquele beijo que nunca virá. 


Às vezes penso em te deixar mais uma vez, como se disso eu pudesse ter a certeza. Minha presença impõe uma comparação injusta àqueles que possam te tocar, seres imperfeitos, tão diferentes de mim. Mas sei que há algum tempo vem planejando meu fim, venho percebendo-a diferente, excitante a minha contemplação. Ao mesmo tempo, aquela música nunca mais tocou, tão pouco, conseguia segui-la nas ruas, ao perceber minha presença se esgueirava em outros passos. Não sei exatamente quando começou, o decorrer do tempo vem-se mostrado distante à minha compreensão. De quando em quando você surgia alguns anos mais velha e minha imagem no espelho refletia agora sem brilho. Já nem lembro mais de como eu era, talvez a sombra de um homem que só exista em sua presença, fragmento de um passado de fotos e cartas jogadas no fundo desse baú. 


Foi quando te vi mais uma vez naquela janela, revelando uma mulher no apogeu da maturidade, com todas as rugas que o tempo magistralmente esculpiu. E vestindo aquele mesmo penhoar que a deixava linda e jovem como sempre, me convidou para entrar em sua vida pela última vez. Ao som daquela música que conhecíamos tão bem, pude ver suas mãos a saírem por aquela janela invadindo meu pequeno espaço e carinhosamente me colocarem no colo. As lágrimas então rolaram dos seus olhos sobre minha pele amarelada, desbotando as lembranças daquele primeiro encontro. Por do sol, ondas que batiam em nossos pés descalços, a impressão de nossos corpos pela areia; e em suas mãos a margarida despetalada revelando seu bem querer. E igualmente aquele dia, meu corpo foi caindo de suas mãos em pedaços como pétalas e antes que fosse totalmente desconstruído, pude contemplar pela última vez a lingerie que usava naquela noite em minha homenagem: vermelha, mínima, de puta.

.

.
A Casa Encantada - Contos do Leblon - R$2,99

18 EXPRESSÕES RACISTAS QUE VOCÊ USA SEM SABER

18 EXPRESSÕES RACISTAS QUE VOCÊ USA SEM SABER
Entre sutilezas, brincadeiras e aparentes elogios, a violência simbólica se amplia quando expressões como estas são repetidas:

RACISMO AQUI NÃO!

RACISMO AQUI NÃO!

Anúncio

Anúncio