Postagem em destaque

ENCERRANDO CICLOS - Glória Hurtado

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a ...

Mostrando postagens com marcador COMPORTAMENTO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador COMPORTAMENTO. Mostrar todas as postagens

JUVENTUDE E MATURIDADE - Rosely Sayão

O relacionamento dos pais com os filhos adolescentes não tem sido fácil. Além da fase complexa pela qual os jovens passam e que os leva a agir de modo diferente do que seus pais estavam acostumados - que deixa os adultos um pouco perplexos e sem ação -, a situação está ainda mais difícil por causa de nossa cultura em relação à juventude.

Ser jovem deixou de ser uma etapa da vida para se transformar em um estilo de viver. Isso significa que, quando a criança entra na adolescência, ela passa a se relacionar com adultos iguais a ela, ou seja, tão jovens quanto ela. Na questão educativa, esse é um fato complicador. A adolescência é o tempo de amadurecer, mas, se os pais não ajudarem o filho a entrar na maturidade, ele continuará a agir de modo infantilizado.

Todos conhecem jovens que estudam e... só. No restante do tempo da vida, eles consomem, frequentam festas, namoram e desfrutam da sexualidade, jogam, ficam na internet. Em resumo: eles estudam sob uma enorme pressão de êxito não apenas por parte da família como de toda a sociedade e permanecem prisioneiros de seus caprichos impulsivos.

Para muitos, esse é o momento de buscar desafios para evitar o tédio que se instala nesse tipo de vida. Alguns encontram as drogas, outros desafiam a morte por meio de, por exemplo, esportes radicais, outros se dedicam exaustivamente ao culto do corpo perfeito e muitos outros ficam doentes.O índice de suicídio entre jovens tem crescido no mundo todo, inclusive no Brasil. Aqui, tem aumentado a taxa que envolve a população entre 15 e 29 anos de idade.

Isso significa que eles precisam muito dos pais nesse momento da vida. E o que seus pais podem fazer?

Em primeiro lugar, podem bancar o lugar de adultos perante o filho adolescente, não esmorecer nem tampouco desistir, por mais árdua que a tarefa educativa pareça.É preciso lembrar que pode ser difícil, mas impossível não é, como tenho ouvido muitos pais declararem.

O filho precisa da ajuda dos pais, por exemplo, para aprender a retardar e mesmo suspender o prazer que busca, para saber dividir seu tempo entre várias atividades e obrigações, para se abrir para as outras pessoas e buscar modos de viver bem com elas. Precisa de auxílio também para colaborar com o grupo familiar e para dar conta de várias outras responsabilidades consigo mesmo e com os outros, para desenvolver virtudes e para, sempre que conjugar o verbo "querer", aliar a ele outros dois: o "dever" e o "poder".

Para tanto, os pais precisam aprender a ceder algumas vezes e a ouvir o que seu filho diz -seja por meio de palavras, seja por atitudes. Ouvir não significa atender, mas considerar a dialogar e a negociar. E essa talvez seja a palavra chave do relacionamento entre pais e filhos dessa faixa etária.

Negociar conflitos e demandas com o filho é uma maneira de os pais o ajudarem a perceber que ele pertence a um grupo que segue alguns valores e princípios que são inegociáveis, mas que, ao mesmo tempo, reconhecem o crescimento do filho e, por isso, valorizam sua busca de autonomia. Mas essa negociação deve priorizar a exigência do desenvolvimento de sua maturidade.

A responsabilidade dos pais é grande nesse momento da vida do filho e não apenas com a família e com ele próprio. Afinal, são esses jovens adolescentes que serão os responsáveis por nosso futuro bem próximo.
_________________________________________________________________________________
_________________


Um livro interessante e despretensioso. 
Uma leitura deliciosa e emocionante. 

A Casa Encantada 
Contos do Leblon
Edmir Saint-Clair
Contos e Crônicas
https://amzn.to/2oP20S4
_____________________________________________________________
________________________________________

COMO SER FELIZ? 10 CONSELHOS DE ARISTÓTELES

Quando se trata de alcançar a felicidade, a maioria das pessoas se pergunta: “O que devo fazer?” Não é estranho, imbuído como estamos na cultura do fazer e da plena ocupação do tempo até que não haja mais um minuto. Os grandes filósofos, no entanto, se perguntavam: “Que tipo de pessoa devo ser?”

O segredo está no equilíbrio

Muitos grandes pensadores costumavam recorrer à ética da virtude em busca de respostas. Aristóteles, um dos filósofos mais influentes de todos os tempos, desenvolveu um sistema integral de virtude que podemos perfeitamente pôr em prática nos tempos modernos para alcançar um estado de equilíbrio emocional e paz interior no qual a felicidade naturalmente floresce.

De fato, seu sistema de ética da virtude é especialmente projetado para nos ajudar a alcançar a “eudaimonia”, uma palavra muito interessante que geralmente é traduzida como “felicidade” ou “bem-estar”, mas que na verdade significa “floração humana”.

Isso significa que Aristóteles pensava que a felicidade é o resultado de um modo de vida e um modo de ser, que surge quando somos capazes de desenvolver nosso potencial como pessoa e construir um sólido “eu”. 

O que é esse modo de viver?

Aristóteles pensava que o segredo estava em equilíbrio, uma ideia relacionada a outros sistemas filosóficos como o budismo. Este filósofo pensava que uma vida de abstinência, privação e repressão não leva à felicidade ou a um “eu” completo. Mas uma vida hedonista também não é o caminho, uma vez que os excessos geralmente geram uma forma de escravidão ao prazer, gerando no final um vazio existencial.

“A virtude é uma posição intermediária entre dois vícios, um por excesso e o outro por padrão”, escreveu ele. E para desenvolver a virtude, devemos simplesmente aproveitar todas as oportunidades que surgem, uma vez que não se trata de conceitos teóricos, mas de atitudes, decisões e comportamentos que devem guiar nossas vidas.

As 10 virtudes aristotélicas para alcançar eudaimonia

Em Nicomachean Ethics, o livro mais conhecido de Aristóteles escrito no século IV aC., elenca as virtudes que devemos desenvolver para alcançar eudaimonia:

1. Elegibilidade. É a capacidade de controlar nosso temperamento e as primeiras reações. A pessoa paciente não fica muito zangada, mas também não pára de ficar com raiva quando tem razões para isso.

2. Força. É o ponto intermediário entre a covardia e a imprudência. A pessoa forte é aquela que enfrenta perigos por estar ciente dos riscos e tomar as precauções necessárias. Trata-se de não correr riscos desnecessários, mas também de evitar os riscos necessários para crescer.

3. Tolerância. É o equilíbrio entre o excesso de indulgência e intransigência. Aristóteles pensava que é importante perdoar, mas sem cair no extremo de passar tudo, deixando que os outros atropelem nossos direitos ou deliberadamente nos machuquem sem responder. Tão negativo é ser extremamente tolerante como extremamente intolerante.

4. Generosidade. É o ponto intermediário entre a mesquinhez e a prodigalidade, trata-se de ajudar os outros, mas não de nos dar tanto que nosso “eu” seja diluído.

5. Modéstia. É a virtude que está no ponto intermediário entre não se dar crédito suficiente pelas conquistas feitas devido à baixa auto-estima e ter um ego excessivo que nos faz pensar que somos o centro do universo. Trata-se de reconhecer nossos erros e virtudes, assumindo as responsabilidades que nos correspondem, nem mais nem menos.

6. Veracidade. É a virtude da honestidade, que Aristóteles coloca em um ponto justo entre a mentira habitual e a falta de tato para dizer a verdade, para que a pessoa se torne um camicaze da verdade. Trata-se de avaliar o alcance de nossas palavras e dizer o que é necessário, nem mais nem menos.

7. Graça. É o ponto médio entre ser um palhaço e ser tão hostil que somos rudes. É um saber ser, para que outros gostem da nossa empresa.

8. Sociabilidade. Muito antes de os neurocientistas descobrirem que temos que escolher nossos amigos com cuidado, pois nossos cérebros acabarão se assemelhando aos seus, Aristóteles já nos advertiu do perigo de sermos sociáveis demais com muitas pessoas, bem como da incapacidade de fazer amigos. O filósofo acreditava que deveríamos escolher nossos amigos com cuidado, mas também cultivar esses relacionamentos.

9. Decoro. É o ponto médio entre ser muito tímido e ser sem vergonha. Uma pessoa decente respeita a si mesma e não tem medo de cometer erros, mas não cai em insolência ou impertinência tentando passar sobre os outros. Ele está ciente de que todos merecem ser tratados com respeito e exigem o mesmo respeito por si mesmos.

10. Justiça. É a virtude de lidar de forma justa com os outros, a meio caminho entre o egoísmo e o total desinteresse. Consiste em levar em conta tanto as necessidades dos outros quanto as próprias, para encontrar o meio termo que nos permita tomar decisões mais justas para todos.

A coisa mais interessante sobre a proposta de Aristóteles é que há espaço para erro, para cometer erros, aprender e melhorar sem sentir que somos pessoas más ou que não conseguiremos alcançá-lo. O que você acha?
__________________________________________________________________________


A Casa Encantada 
Contos do Leblon
Edmir Saint-Clair
https://amzn.to/2oP20S4
_____________________________________________________________
________________________________________

10 FATOS EXTRAORDINÁRIOS SOBRE OS SONHOS

O sonho parece ser mais do que uma simples experiência de imaginação do inconsciente durante nosso período de sono. Recentemente, descobriu-se que até os bebês no útero têm sono REM (movimentos rápidos dos olhos) e sonham, não se sabe com o quê. 
Veja estes 10 extraordinários fatos sobre os nossos sonhos:

10. OS CEGOS TAMBÉM SONHAM
Pessoas que ficam cegas depois do nascimento podem ver imagens durante os sonhos. As pessoas que nascem cegas não enxergam nada, mas possuem sonhos igualmente vívidos envolvendo seus outros sentidos: audição, olfato, tato e suas emoções. É difícil para pessoas que enxergam imaginar, mas o a necessidade dos sonhos para o corpo é tão forte que os cegos podem virtualmente manipular todas as situações com as quais sonham. » 5 Passos para parar de fumar definitivamente

9. VOCÊ ESQUECE 90% DOS SEUS SONHOS
Depois de cinco minutos acordados a metade do sonho já foi esquecido. Em 10m, 90% já se foi. O famoso poeta Samuel Taylor Coleridge acordou uma manhã depois de ter um fantástico sonho (possivelmente induzido pelo ópio) e começou a descrever seu “visão em um sonho”, que é um dos poemas ingleses mais famosos: Kubla Khan. Depois de haver escrito 54 linhas ele foi interrompido por um visitante indesejado. Samuel retornou ao seu poema, mas não pode lembrar o resto de seu sonho. O poema nunca foi concluído.
Curiosamente o autor Robert Stecenson inventou a história do Doutor Jeckyll e Sr. Hyde enquanto estava dormindo. Frankenstein, de Mary Shelley, também foi filho de um sonho da autora.

8. TODO MUNDO SONHA
Com exceção de algumas pessoas com distúrbios psicológicos extremos todo o restante de nós sonha. Homens tendem a sonhar mais com outros homens, enquanto a mulher tende a sonhar igualmente com pessoas de ambos sexos. Ambos experimentam reações físicas aos seus sonhos não importando se ele tenha ou não natureza sexual; homens têm ereções e nas mulheres aumenta o fluxo sanguíneo vaginal.

7. OS SONHOS PREVINEM PSICOSE
Em um estudo recente sobre o sono, estudantes que foram acordados no início de cada sonho, mas mesmo assim puderam dormir suas oito horas de sono. Todos experimentaram dificuldades de concentração, irritabilidade, alucinações e sinais de psicose depois de apenas três dias. Quando eles finalmente foram autorizados a dormir durante o sono REM (Rapid Eyes Movement em inglês ou movimento rápido dos olhos; é o sinal fisiológico de que começamos a sonhar durante o sono), seus cérebros compensaram o tempo perdido aumentando muito o percentual de sono realizado no estagio REM.

6. NÓS SONHAMOS APENAS SOBRE O QUE CONHECEMOS
Nossos sonhos são frequentemente cheios de pessoas estranhas que desempenham certos papéis. Você sabia que a sua mente não está inventando estas faces? Elas são rostos reais de pessoas que você viu durante a sua vida, mas pode não se recordar. O algoz de seu último pesadelo pode ter sido o caixa da padaria em que o seu pai comprava pão quando você era criança. Como todos vemos centenas de milhares de rostos por dia é possível que tenhamos um suprimento infindável de personagens que nossa mente por utilizar durante os sonhos.

5. NEM TODOS SONHAM EM CORES
Existem pessoas com visão normal (12%) que sonham exclusivamente em preto e branco. O restante sonha em cores. Há também temas comuns para os sonhos, que são situações relacionadas à escola, ser perseguido, tentar correr e mesmo assim se mover vagarosamente, experiência sexuais, cair, atrasar-se, uma pessoa viva atualmente estar morta, dentes caindo, voar, reprovar em um exame ou acidente de carro. É desconhecido se o impacto de um sonho relacionado a violência ou morte é mais emocionalmente carregado para a pessoa que sonha em cores ou para as que sonham em preto e branco.

4. OS SONHOS NÃO SÃO SOBRE O ASSUNTO QUE PARECEM TRATAR
Se você sonha sobre algum assunto em particular não é comum que o sonho seja realmente sobre isso. Os sonhos nos falam em uma linguagem profundamente simbólica. A mente consciente tenta comparar seu sonho a outra situação ou coisa similar. É como uma analogia em uma poesia que diz que as formigas são como máquinas que nunca param. Em um sonho você nunca compara algo com esse mesmo algo, assim como na poesia, por exemplo: “Aquele belo pôr-do-sol era como um belo pôr-do-sol”. Portanto seja qual for o símbolo que o seu sonho escolha é muito improvável que o propósito do sonho seja o símbolo em si.

3. QUEM PÁRA DE FUMAR TEM SONHOS MAIS VÍVIDOS
Os tabagistas que fumaram por muito tempo e pararam reportaram mais sonhos vívidos do que eles normalmente teriam. Em adição, de acordo com a revista científica Journal of Abnormal Psychology “entre 293 fumantes que se abstiveram entre uma e quatro semanas, 33% disseram que tiveram ao menos um sonho sobre fumar. Na maioria dos sonhos as pessoas se flagravam fumando e sentiam fortes emoções negativas como pânico e culpa. Sonhos sobre fumar foram o resultado do fato da desistência ao cigarro, pois 97% dos voluntários não os tinham enquanto fumavam e sua ocorrência foi relacionada significativamente ao período de abstinência. Eles foram relatados como mais vívidos do que os sonhos normais e são tão comuns como os grandes sintomas de abstinência ao tabaco”.

2. ESTÍMULOS EXTERNOS INVADEM NOSSOS SONHOS
Isso é chamado de Incorporação ao Sonho e é a experiência em que a maioria de nós tem um som do mundo real ouvido em nosso sonho e incorporada de alguma maneira. Um exemplo similar ocorre quando você sente sede ou vontade de urinar no mundo real enquanto dorme e isto é transportado para o sonho. A maioria das crianças, já grandes, urinam na cama por causa de incorporação: estão com a bexiga cheia, sonham que estão apertados e urinam no sonho ao mesmo tempo em que molham a cama.

 Pessoas com sede durante o sono relataram tomar copos de água dentro do sonho para, minutos depois, ficar com sede e tomar outro copo. O ciclo se repete até o momento que este que a pessoa acorda.
A famosa pintura acima de Salvador Dali explica exatamente este conceito. O seu nome é “Sonho Causado Pelo Vôo de uma Abelha ao Redor de Uma Romã um Segundo Antes de Acordar”.

1. VOCÊ ESTÁ PARALISADO DURANTE O SONHO
Acredite ou não o seu corpo está virtualmente paralisado durante o sono. Isso ocorre possivelmente para preveni-lo de atuar aspectos dos seus sonhos. Durante o sono há glândulas que secretam um hormônio que ajuda a induzir o sono e os neurônios enviam sinais à coluna vertebral que causam o relaxamento do corpo e em seguida a pessoa fica essencialmente paralisada.

FATOS EXTRAS:
* Você não sonha enquanto ronca;
* As crianças não sonham sobre si mesmas até aproximadamente os três anos. À partir desta idade as crianças tem muito mais pesadelos do que os adultos até completar 7 ou 8 anos;
* Se você for acordado durante o sono REM você tem mais chances de lembrar seu sonho mais vividamente do que quando você acorda pela manhã;
* Não existe evidência científica que confirme o mito de que acordar um sonâmbulo possa matá-lo;
* Há pessoas que sofrem de sonhos recorrentes. É um sonho que surge repetidamente durante longos períodos de tempo, até anos. Geralmente possui aspectos de pesadelo e pode ser causado por estresse pós-traumático.
Por Alessandra Nogueira 

CONSELHOS QUE SEMPRE DÃO ERRADO 2

Conceitos errados de uma pseudo-psicologia que estão espalhados por aí disfarçados de conselhos bem-intencionados.

Só vence na vida quem não admite erros, 
principalmente os próprios!


“Acredite em si mesmo e não aceite uma derrota!” 


Você já perdeu a conta de quantas vezes ouviu essas frases, certo? É claro que boas doses de autoconfiança e disciplina são necessárias para atingirmos nossos objetivos. Mas a ciência já descobriu que é preciso pegar leve com essa exigência toda.

Estudos recentes revelaram que quem cobra demais de si mesmo apresenta níveis mais altos de depressão e ansiedade. Enquanto isso, quem é mais compreensivo com as próprias falhas é mais feliz, otimista e, de quebra, ainda tem mais saúde.

A professora de desenvolvimento humano da Universidade do Texas em Austin Kristin Neff, uma das pioneiras nesse novo campo da psicologia chamado autocompaixão, diz que muita gente não é compreensiva consigo mesma porque teme cair na autoindulgência ou baixar seus padrões de excelência. “Eles acham que a autocrítica é o que os mantêm na linha”, disse ela ao New York Times. 

Tudo culpa da ideia difundida de que se deve ser extremamente exigente e autocrítico para ter sucesso. Mas a verdade é que, segundo Neff, a autocompaixão estimula as pessoas porque as leva a se cuidarem melhor. Quanto mais você se cuidar – e quanto menos energia gastar se criticando – melhor se sairá.

Agora, como é que vamos saber a medida exata de autocompaixão? Uma boa saída é nos perguntarmos se tratamos nós mesmos tão bem quanto tratamos nossos amigos e familiares. E isso é mais difícil do que parece. Um estudo recente descobriu que, no geral, as pessoas que costumam apoiar e compreender as falhas dos outros são muito mais rígidas com suas próprias falhas.

Em termos práticos: como você agiria se tivesse um filho com dificuldades na escola? Muitos pais dariam apoio e ajudariam com aulas extras. 

Mas e quando você é quem está nessa situação, talvez com problemas no trabalho ou com dificuldade para emagrecer? Aí o tratamento muitas vezes é diferente: cai-se num ciclo de negatividade e excesso de crítica. Se essa estratégia é inútil na hora de ajudar outra pessoa, por que haveria de funcionar com nós mesmos?

Um estudo de 2007 da Universidade de Wake Forest mostrou que um pequeno incentivo à autocompaixão já produz resultados. Os pesquisadores convidaram 84 mulheres para uma experiência de degustação de alguns doces engordativos que são proibidos para quem deseja manter a forma. Um instrutor pediu a algumas voluntárias que não fossem duras consigo mesmas, já que todo mundo naquele estudo comeria aqueles doces e não havia razão nenhuma para se sentirem mal ao fazerem isso também.

No fim, as mulheres que costumavam ter sentimento de culpa a respeito de alimentos proibidos e que ouviram aquela mensagem comeram menos do que as outras. Os pesquisadores acreditam que isso aconteceu porque, ao se permitirem apreciar os doces, elas os apreciaram melhor e ficaram satisfeitas com menos. 

Já quem estava com sentimentos de culpa acabou comendo mais para tentar se sentir melhor. Coisa que, no máximo, permitiu só um prazer momentâneo e aumentou o sentimento de culpa posterior, num círculo vicioso. Isso também pode funcionar com o vício na internet, por exemplo. Ou com problemas de concentração.
P/Ana Carolina Prado 
_____________________________________________________________________________________________________________________________________________


CASAIS DE FIM DE SEMANA: UM NOVO TIPO DE RELACIONAMENTO

Não estamos falando daquelas aventuras românticas dos casais nos fins de semana que servem para desconectar. Também não estamos falando de relacionamentos que duram 48 horas e depois desaparecem. Falamos dos casais de fim de semana, casais que se veem apenas aos sábados e domingos.

Mas essa história de viver para sempre em lua de mel realmente funciona?

Normalmente, as pessoas que formam esse tipo de casal estão no ápice das suas vidas profissionais. Elas costumam ter entre 25 e 35 anos e viajam com frequência. Por não terem muito tempo para dedicar ao parceiro ou à parceira ao longo da semana porque trabalham, decidem se encontrar apenas nos finais de semana.

A recompensa de um sacrifício diário
Muitos relacionamentos fracassam por causa da distância. Ao não renovar a paixão e o carinho de maneira contínua, os quilômetros acabam por ser uma fonte de conflito. Mas isso não seria um problema para os relacionamentos que mantêm viva a chama do amor, pelo menos durante os finais de semana. Esses casais sabem que esses dois dias são para eles. E servem como recompensa pelas duras jornadas de trabalho.

Eles sentem saudades um do outro durante a semana, mas sabem que no sábado e domingo vão se encontrar. Isso faz com que a fase da paixão se prolongue. Ou seja, ver um ao outro com menos frequência faz com que os reencontros sejam como se fosse a primeira vez. É um tipo de paixão constante que reforça os aspectos positivos do relacionamento.

Outra vantagem é que, por terem pouco tempo para dividir com o outro, cada um dá o melhor de si durante esses dias que passam juntos. Por isso, esses casais não costumam perder tempo em discussões absurdas. Eles resolvem os conflitos para poderem aproveitar o tempo juntos ao máximo. Ao mesmo tempo, isso permite que cada um se concentre no que o outro traz de bom e nas qualidades do parceiro ou da parceira.

Os contras também são grandes para os casais de fim de semana
Já destacamos que a distância física é um dos grandes desafios de qualquer namoro ou casamento. Os casais de fim de semana também podem ser vítimas dela. A insegurança criada sem o contato diário pode criar dúvidas e ciúmes para com o outro. Isso, se alimentado todos os dias, pode se tornar o motivo do término ou, até mesmo, de infidelidade.

Por outro lado, reviver todos os finais de semana esse amor não significa que o relacionamento vá seguir adiante. Essa maneira de se ver pode estagnar o relacionamento. É como se ambos estivessem confortáveis com a situação e ninguém pretendesse dar um passo além.

É uma sensação de impotência e conformismo das duas partes. Pode chegar a criar a sensação de viver em uma espiral de frustração, impaciência e, até mesmo, tédio.

Quanto mais duradouro, mais forte
Apesar de quantidade não ser sinônimo de qualidade, nesse caso parece ser. Quanto mais anos tiver o relacionamento, mais fortes são os vínculos e as bases sobre os quais se formou. Devido a esse fato, é menos provável que um relacionamento termine pela distância quanto maior for o tempo que o casal estiver junto.

Por exemplo, vamos pensar no caso de um relacionamento de anos no qual uma das duas partes vai trabalhar temporariamente em outro país. A distância pode, até mesmo, chegar a fortalecer os laços de união entre essas pessoas. A distância coloca a união à prova e, se o resultado for positivo, se transforma em mais um pilar da relação.

Por outro lado, se o relacionamento não fica bem, há grandes chances de que não exista compromisso suficiente para mantê-lo.

Será que sabem se são compatíveis?
Os casais de fim de semana convivem apenas algumas horas juntos. Sábado e domingo compartilham cama, refeições e momentos. Mas isso é comparável ao dia a dia de um casal que vive na mesma casa e tem que enfrentar responsabilidades compartilhadas?

Esse tipo de encontro esporádico não permite saber como o outro realiza, por exemplo, as tarefas de casa. Nem como reage quando algo está incomodando, quais manias tem, o que gosta de fazer quando chega em casa ou como cozinha. É um relacionamento um pouco superficial. Talvez percebam alguns desses detalhes, mas não é a mesma coisa.

Segredos de sucesso para casais
Em todo caso, os casais de fim de semana são uma realidade. Ninguém pode determinar a duração de um relacionamento com base em como se conheceram ou quais são os parâmetros do mesmo. Apenas os membros do relacionamento sabem o que se passa nas suas vidas.

No entanto, existem certas características que aparecem em todos os casais bem-sucedidos. Algumas delas são, por exemplo, a admiração, o respeito mútuo e a ausência de codependência. Além disso, as expectativas de ambos devem ser realistas e baseadas em uma escolha: amar o outro.

Certamente, a base deve ser a comunicação e a confiança. É preciso poder conversar sobre tudo e manifestar cada um seu ponto de vista, sem medo de ser julgado ou rejeitado. Os casais passam por momentos incríveis e felizes, mas quando os mais difíceis chegam, devem ser capazes de dizer o que sentem e no que acreditam um para o outro.

Todas essas características podem estar perfeitamente presentes nos casais de fim de semana. Só é preciso saber o que cada um pode contribuir para o outro, como esse relacionamento vive, como a distância afeta e se a situação faz ambos serem felizes.

Se ambos estiverem de acordo, então pode ser um relacionamento muito saudável e duradouro!
____________________________________________________________________________________
 _________________


Um livro interessante e despretensioso. 
Uma leitura deliciosa e emocionante. 

A Casa Encantada 
Contos do Leblon
Edmir Saint-Clair
Contos e Crônicas
https://amzn.to/2oP20S4
_____________________________________________________________
________________________________________

QUAL A DIFERENÇA ENTRE SEXO E GÊNERO (e por que esses termos podem estar ficando obsoletos) - BBC News Mundo

Os intensos debates contemporâneos sobre sexo e gênero
sugerem que parece haver mais dúvidas 
do que certezas sobre o tema.

E há quem acredite que é hora de acabar com essas definições — ou, pelo menos, da forma como as usamos atualmente.

Uma das polêmicas mais recentes surgiu há alguns meses, quando declarações de algumas feministas, vistas como discriminatórias em relação a transexuais, abriram uma caixa de Pandora na qual diferentes grupos trocam acusações e parecem relutantes em ouvirem uns aos outros.

A controvérsia envolve o movimento feminista, o movimento LGBTQI+ (sigla internacional para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexuais, queers e mais), teóricos da cultura queer (termo associado aos que não se encaixam em padrões heteronormativos) e políticos de diferentes tendências.

Mas vamos por partes. A que se referem as palavras sexo e gênero?

Sexo biológico ou designado
No senso comum, o sexo é um rótulo que o médico nos dá ao nascer, de acordo com uma série de fatores fisiológicos como a genitália, os hormônios e os cromossomos que carregamos.

A maioria das pessoas recebe o gênero masculino ou feminino, e é isso que geralmente aparece na certidão de nascimento.

Os supostos papéis de gênero muitas vezes são incutidos desde a infância.

Os fatores que determinam o nosso sexo designado no nascimento começam logo após a fertilização:

Cada espermatozoide tem um cromossomo X ou Y. Todos os óvulos têm um cromossomo X. Quando o espermatozoide fertiliza um óvulo, seu cromossomo X ou Y se combina com o cromossomo X do óvulo.

Uma pessoa com cromossomos XX geralmente tem órgãos sexuais e reprodutivos femininos e, portanto, geralmente é designada como do sexo feminino.

Uma pessoa com cromossomos XY geralmente tem órgãos sexuais e reprodutivos masculinos e, portanto, geralmente é designada como do sexo masculino.

A atribuição de um sexo biológico pode ou não coincidir com a forma como a pessoa se sente ou se identifica.
Isso não exclui outras combinações de cromossomos, hormônios e órgãos que podem levar uma pessoa a se considerada intersexual.

Nestes casos, o mais comum é que os pais ou responsáveis decidam criar o bebê como menino ou menina, embora haja cada vez mais países nos quais não é mais necessário determinar o sexo — feminino ou masculino — na certidão de nascimento.

Alemanha, Holanda, Austrália, Nova Zelândia, Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e alguns lugares no México e na Argentina permitem que haja um sexo distinto ou não-identificado.

Gênero e identidade
O gênero é ainda mais complexo do que o sexo.

Ele inclui papéis e expectativas que a sociedade tem sobre comportamentos, pensamentos e características que acompanham o sexo atribuído a uma pessoa.

Por exemplo, ideias sobre a maneira que alguns esperam que homens e mulheres se comportem, se vistam e se comuniquem ajudam a construir a concepção de gênero.

Geralmente também é masculino ou feminino, mas em vez de se referir a partes do corpo, refere-se à maneira como se espera que devamos agir de acordo com o sexo.

O sexo atribuído e a identidade de gênero de algumas pessoas são praticamente os mesmos ou estão alinhados. Estas pessoas são conhecidas como pessoas cisgênero.

Roupas, aparência e comportamentos podem ser caminhos para se expressar a identidade de gênero. 

Outras pessoas sentem que o sexo que lhes foi atribuído no nascimento é diferente da sua identidade de gênero. Elas são chamados de transexuais ou transgêneros e nem todas vivem seus processos da mesma forma.

Há também aqueles não se identificam com sexo ou gênero. Essas pessoas podem escolher rótulos como "genderqueer", não binárias ou de gênero fluido.

Mas qual é a discussão?
No centro do debate atual está a batalha para estabelecer quem determina o gênero e quais os efeitos que isso tem em termos jurídicos e políticos.

Na Espanha, por exemplo, um projeto de lei trans que contempla a autodeterminação de gênero está sendo discutido por políticos.

A proposta defende que qualquer pessoa possa estabelecer seu gênero e que isso seja legalmente reconhecido sem a necessidade de passar por processos médicos ou psicológicos.

Certos grupos feministas, incluindo algumas mulheres com cargos no atual governo espanhol, dizem temer que este tipo de legislação priorize o gênero em detrimento do sexo designado e desconfigure a categoria das mulheres.

Para as críticas, a medida traria efeitos negativos em políticas especificamente dirigidas a proteger direitos femininos.

Por outro lado, os defensores dessa lei, que já existe em nível regional, argumentam que ela pretende incluir e garantir direitos para todas, sem a intenção de apagar ninguém.

A escritora JK Rowling, autora de Harry Potter, esteve no centro de um debate entre grupos ligados ao feminismo e à comunidade trans.

No Reino Unido, uma discussão semelhante levou a uma briga entre feministas encabeçadas pela autora de Harry Potter, JK Rowling, e parte do movimento transsexual que as acusou de serem intolerantes e excludentes.

Comentando um texto que falava de "pessoas menstruadas", Rowling afirmou: "Se o sexo biológico não é real, a realidade vivida pelas mulheres globalmente acaba sendo apagada. Eu sei e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo biológico elimina a capacidade de muitas pessoas de analisar o significado de suas vidas. Dizer a verdade não é discurso de ódio."

Sua afirmação foi duramente criticada e rotulada como transfóbica.

Uma preocupação 'recente'
O gênero como construção social é um conceito difundido, mas relativamente recente, segundo Maria Trumpler, diretora do departamento LGBTQ da Universidade de Yale (EUA) e professora de estudos sobre mulheres, gênero e sexualidade.

"A crença de que as pessoas são homens ou mulheres tem apenas 200 ou 300 anos. Eu diria que surgiu na Europa no século 18, quando os governos começaram a querer classificar as pessoas", disse Trumpler à BBC News Mundo, o serviço em língua espanhola da BBC.

Os sentimentos sobre a identidade de gênero podem surgir cedo: entre os 2 ou 3 anos

"As pessoas que não se enquadravam claramente nas categorias de homem ou mulher compareciam perante o juiz, passavam por exames médicos e eram questionadas se queriam se casar com um homem ou uma mulher. Dependendo da resposta, lhes era atribuído um gênero", continuou.

Trumpler diz que acompanha com fascínio a variedade de identidades e gêneros com que seus alunos com idades entre 18 e 25 anos se apresenta na faculdade.

"Eles são jovens de mente muito aberta que se questionam sobre o significa ter traços femininos ou masculinos, ou quem foi que os rotulou de determinada maneira. ? É um diálogo às vezes doloroso, mas também é alegre e criativo. Eu acho que é totalmente fascinante e adoro a energia que eles trazem", diz a professora.

Desafiando conceitos
Diante disso, há vozes que se perguntam se os termos sexo e gênero, como os conhecemos, ainda são válidos.

"O problema básico é que temos um pensamento binário", diz Coral Herrera, escritora e doutora em Humanidades e Comunicação pela Universidade Carlos III de Madrid, na Espanha.

O gênero está dando lugar a múltiplas reflexões
"Eu rompi há muito tempo com aquele binômio cultura-natureza (gênero-sexo) porque todas as oposições que se colocam entre termos opostos como estes não nos permitem ver a complexidade da realidade", ela afirma.

"Existem culturas que pensam diferente. As culturas orientais unem o yin e o yang, o masculino e o feminino, e também dizem que a doença e a morte fazem parte da vida, e não são o oposto da vida", diz Herrera, que se define como uma feminista radical abolicionista trans-inclusiva.

Herrera sublinha esta última palavra para que não seja confundida com o termo feminista radical trans-excludente (TERF), que ganhou grande relevância neste debate sobre sexo e gênero.

São cada vez mais comuns os locais com banheiros unissex.

Nesta era de pensamento complexo e de pensamento em rede, não faz sentido ficar preso a uma discussão de polos opostos. O que isso significa? Acho que sexo é uma questão biológica, mas também é uma questão social e cultural, porque o ser humano não pode ser considerado nem apenas um animal, nem apenas um ser cultural."

"Se ficarmos presos nessa contradição de cultura x natureza ou sexo x identidade de gênero, não avançaremos", enfatiza.

Sexo é uma construção?
Mas se sexo é algo fisiológico, como pode ser também uma questão social e cultural, como aponta Coral Herrera?

Este ponto é defendido pela teoria queer, corrente que surgiu no final dos anos 1980 nos Estados Unidos e que se situa na interseção entre o feminismo e o movimento LGBTQ.

Sua representante mais conhecida é a filósofa americana Judith Butler.

A partir dessa teoria, diz-se que o sexo é uma construção, o que não significa que ele seja algo falso ou artificial.

"O queer não quer dizer que não existem características sexuais biológicas, mas que organizar essas características do corpo em duas categorias únicas é uma construção sóciopolítica", escreve a antropóloga Nuria Alabao no site ctxt.es.

Mau uso da palavra gênero
Para o jornalista Ilya Topper, usar a palavra gênero para descrever "estereótipos associados ao sexo" é um erro, um neologismo derivado do inglês.

"'Gênero' tem vários significados em espanhol [como no português]: pode descrever uma categoria de animais (o gênero bovino), pode ser simplesmente sinônimo de 'mercadoria' (gênero alimentício) e pode ser usado para categorias gramaticais. Mas nunca significa 'sexo'", afirma.

Para alguns setores do feminismo, as mulheres são atacadas por seu sexo, não por seu gênero.

Para ele, o uso da palavra gênero em expressões como "violência de gênero", "enfoque de gênero" e "identidade de gênero" é uma armadilha em que o feminismo caiu nos anos 1990.

"O patriarcado oprime as mulheres por causa de seu sexo, não por causa de seu gênero", denuncia Topper.

O sociólogo e sexólogo Erick Pescador, especialista em gênero, masculinidades e igualdade, discorda.

"Em nossa cultura, sexo e gênero andam juntos e as mulheres são discriminadas por causa da instituição do gênero", disse ele à BBC Mundo.

"Quando uma mulher não é discriminada? Quando ela é 'masculinizada', como por exemplo acontece com a [chanceler alemã] Angela Merkel, que representa exatamente o que o patriarcado deseja em termos de sua gestão política e econômica."

Evolução da linguagem
Podemos continuar a usar os mesmos conceitos?

Pescador afirma que "o gênero ainda é atual" e afirma que "borrar as definições de gênero, a ponto que as estruturas de diferenciação cultural desapareçam, deve ser o fim, e não o princípio".

Para Coral Herrera, a categoria mulher também não deve ser apagada.

"É totalmente necessária porque é uma categoria de luta e não pode se diluir até que consigamos acabar com a opressão, a discriminação e a violência", explica.

O debate sobre qual linguagem usar é parte do recente confronto que se tornou particularmente violento nas redes sociais entre alguns setores do feminismo e do movimento trans.

"Acho que a guerra se deve à forma como nos comunicamos", ressalta Herrera. "Não há espaços seguros, livres de violência para falar sobre isso. Percebo violência dos dois lados, mas acho isso que vem de uma dor e uma raiva muito fortes."

Para Pescador, esse confronto não deveria servir como distração "dos verdadeiros problemas".

"Se o foco ficar na luta entre feministas e trans, o feminismo se enfraquece e o patriarcado ganha", diz ele.

"A verdadeira luta é desmontar a estrutura que sustenta as desigualdades entre os sexos."

Quais são esses sexos? O caminho para se chegar a uma resposta consensual promete ser longo e duro, mas também interessante e enriquecedor.
Este artigo faz parte do Hay Festival Querétaro digital, um encontro de escritores e pensadores que acontece de 2 a 7 de setembro de 2020.
Por Beatriz Díez - BBC
___________________________________________________________________________________________________________________________________________
 _________________


Um livro interessante e despretensioso. 
Uma leitura deliciosa e emocionante. 

A Casa Encantada 
Contos do Leblon
Edmir Saint-Clair
Contos e Crônicas
https://amzn.to/2oP20S4
_____________________________________________________________
________________________________________

RACISMO AQUI NÃO!

RACISMO AQUI NÃO!

Anúncio

Anúncio