Mostrando postagens com marcador RIO DE JANEIRO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador RIO DE JANEIRO. Mostrar todas as postagens

NADA COMO SENTIR NA PRÓPRIA PELE - Edmir Silveira

Ando completamente descrente do Brasil. Nada parece apontar para caminho algum. Nenhuma promessa de sombra de vice-liderança política. Os políticos morrendo de medo e mais perdidos que deputado ou senador com dólares na cueca no mesmo vôo do japonês da Federal, logo depois do japa sair da cana, doido para mostrar serviço e aparecer de novo na TV.

Algumas boas idéias tem vindo de cidadãos brasileiros dos mais variados segmentos, menos o político, é claro. Dali não sai nada, só entra.

Uma dessas boas idéias foi reforçada em mim graças aquela cena dantesca do Garotinho mal criado primeiro se borrando de medo e se negando a ir para um Hospital público, depois se negando a sair dele. Claro, Bangu 8 é muito pior. Eles adoram garotinho.

A primeira vez que ouvi essa idéia, já se vão alguns anos, foi numa entrevista do ator Marcos Palmeira em um programa que não me lembro qual era. Uma idéia simples e muito eficaz:

- Todos que exercem cargos políticos eletivos, assim como seus parentes diretos, só poderiam ser atendidos na rede hospitalar pública e receberiam educação somente da rede escolar pública.

A princípio soa até como represália contra a classe política. Mas, como assim? 
Foram eles que determinaram e determinam a qualidade desses serviços públicos. Foram eles que fizeram toda essa lambança no Rio e no Brasil inteiro.

Se, por acaso, num universo paralelo, essa lei for criada veremos o verdadeiro Milagre Brasileiro.
Vai ser um tal de investir em saúde e educação no país inteiro como nunca antes na história desse país, só que dessa vez de verdade. Qualquer prefeito de qualquer micro cidade brasileira vai fazer das tripas coração para dar para si e para os seus o melhor que puder. Em tese, é claro.

Imaginem, quanto maior a cidade maior o interesse em resolver esse abacaxi. O sapato apertado vai doer no pé deles também. Vai ser reclamação a partir do próprio lar do eleito. Ele vai ser avaliado cada vez que a mulher, o filho ou a filha precisarem de serviços médicos. E aí a velha máxima entra em ação: vale tudo menos ficar mal em casa.

Não dou dois anos para termos atendimento médico público sensivelmente melhor e no máximo três para que a rede de ensino caminhe pela mesma trilha.

Já ouvi que só de dinheiro roubado das várias formas, foram tirados mais de um trilhão de reais ou de sei lá o que. É uma montanha de dinheiro seja em que moeda for. Dá para resolver pelo menos uma grande fatia desses dois problemas.

Caraça é muito dinheiro! Nem sei direito se é esse tanto. O certo é que nenhum de nós, povo brasileiro, tem a menor noção de quanto isso significa. Só podemos ter certeza de que um monte grande, bem grande de brasileiros morreu na porta de hospitais por causa desse dinheiro roubado.

Se aquela simples idéia de fazer os políticos serem atendidos da mesma forma que o cidadão comum virasse lei, tenho certeza de que em pouco tempo teríamos ótimos hospitais e escolas.

Essa é a única forma deles fazerem algo nesse sentido. Afinal, eles estariam fazendo por eles mesmos que é a única coisa que sabem fazer. 

NOSSOS ENCONTROS - Edmir Silveira

Ela sempre me espera em absoluto silêncio. Ao sentir minha presença sua respiração torna-se mais intensa. Minha pulsação aumenta. Torna minha respiração quase difícil. A saudade aflora forte. Me aproximo devagar e me aconchegando em seu corpo quase sem tocá-lo. Nada mais excitante do que o tocar sem tocar. O toque anterior ao toque. As sutilezas são a essência do prazer.

Não a toco, apenas contorno seu rosto com o meu a nanomilímetros de sua pele, sem tocá-la, afasto seus cabelos com o nariz, até alcançar o pescoço. Sentir seu hálito faz meu cérebro funcionar em outra sintonia, a sensibilidade além da flor da pele.

As sensações do tato, olfato, paladar e audição se misturam e se transformam em uma coisa só. Cheiros, sons, texturas, anima animal. A luta ansiosa e voraz do prazer. A fome. A fome.


Esse aproximar e tocar dos corpos faz desaparecer o espaço entre eles, alma engolindo alma, prazer do corpo. Só o teu prazer me alimenta. Só o teu prazer me sacia. Luta feroz. Meu prazer é te levar até bem perto da morte. E sua fome animal diz que vamos morrer, já sabemos disso. E morremos grudados até o último espasmo. Colados, encaixados como um quebra-cabeça montado.

Nossos encontros são assim.

AS CIGARRAS DO LEBLON NÃO CANTAM MAIS - Edmir Silveira


Divido meu tempo entre Leblon e Vargem Pequena.
O Leblon, meu bairro, desde sempre até hoje e pelo jeito para sempre mesmo. Vargem, uma bela descoberta. Um Rio mais perto da floresta, mais distante da correria geral da cidade. Morar no pé de uma serra, na beira de uma floresta de mata atlântica preservada é bastante agradável.

No horário de verão, primavera, o por do sol em Vargem é belíssimo. A proximidade da mata proporciona sons interessantes. Sempre gosto de ficar ouvindo. Hoje, um som bem alto me chamou atenção. Um som simples, banal, cigarras. Um som que sempre me traz lembranças muito remotas da infância. Lembro que desde muito pequeno, na Rua José Linhares, o som das cigarras era muito alto e no bairro inteiro era igual. Uma grande sinfonia.

De repente me dei conta que não ouvia o canto das cigarras há muito tempo. Os dias seguintes foram de muita cantoria, muitas cigarras. É a época do ano que isso sempre aconteceu no Rio.

Poucos dias depois, estava caminhando pela Ataulfo de Paiva e me lembrei do que pensara. Estava perto da Rua José Linhares e dobrei a esquina, seguindo o caminho de quando era quase bebê. E prestando atenção. Dei a volta pela Humberto de Campos e subi de novo pela Cupertino Durão na direção da praia. O horário era o mesmo dos outros dias em Vargem. O anoitecer tinha as mesmas condições de temperatura e calor daqueles dias. E nenhuma cigarra cantava. 

HELOISA SEIXAS - A noite vermelha

O incêndio da Praia do Pinto no Leblon
Lembro-me que naquela noite acordei sem motivo algum. Acordei, simplesmente, sem saber por quê. No instante exato do acordar, não houve susto. O sobressalto veio depois. Olhei para a parede do meu quarto e vi que estava tomada por uma sombra incomum. Uma sombra vermelha, cor de fogo. Sempre achei que todas as sombras eram iguais, cinzentas, negras. Jamais imaginei que pudesse haver uma sombra cor de fogo. Intrigada, com uma ponta de medo, levantei da cama e fui até a janela. E então fui atraída pela luz.

Parece o início de um conto de terror – e, de certa forma, é. Foi assim que me senti naquela madrugada distante em que vi a Favela da Praia do Pinto pegar fogo. As chamas eram tão tremendas que projetavam sobre a parede do meu quarto um reflexo avermelhado, um pôr-do-sol no meio da noite. Todo o terreno hoje ocupado pela Selva de Pedra estava pegando fogo. Não havia um só ponto onde não brilhassem as labaredas, projetando-se para o alto, devorando o céu, em meio ao tiroteio dos bujões de gás que explodiam.

Ao ver a cena, meu coração se contraiu. Adolescente ainda, tive a noção exata do que significava aquele espetáculo terrível, pensando, angustiada, nas pessoas que com certeza tentavam escapar do fogo. Horas depois, quando o dia raiasse, outro espetáculo me espantaria. A multidão compacta enchendo as ruas em torno da favela destruída, carregando nas costas seus móveis, seus pertences, num movimento febril que era a perfeita reconstituição de um gigantesco formigueiro.

Ao fim de tudo, manhã já alta, quando olhei o imenso quadrado cinzento que restara no lugar da favela, senti uma estranha sensação de vazio. Mas ela veio acompanhada de uma lembrança boa. A recordação de outro espaço, grande como aquele, já então desaparecido: o terreno baldio onde armavam o circo, quando eu era criança. Ficava no quarteirão entre o Jardim de Alá e a Almirante Pereira Guimarães, em plena Ataulfo de Paiva, que eu atravessava de mãos dadas com a babá, rumo ao mundo encantado e assustador que a lona escondia. Por um segundo, cheguei a pensar no circo pousando outra vez no Leblon, no imenso terreno deixado vago pela favela calcinada. Mas logo dei de ombros, sorrindo. Bobagem. Eu não era mais criança.

Mas é engraçado. Desde então, essas duas lembranças tão díspares – do fogo e do circo – andam sempre juntas dentro de mim. Dois terrenos vazios que, como retalhos quadrados numa colcha, ajudam a compor o cenário desse Leblon de onde nunca saí.

A SOMBRA - André Albuquerque

Fui acordado naquela madrugada pela música que conhecíamos tão bem, trilha sonora do nosso amor inesquecível, vinda da janela à frente, atravessando a cortina iluminada pela tênue luz amarela, revelando a silhueta esguia a insinuar-se para mim.

Sabia que era você, mesmo depois de trinta anos continuava bela e desejável como sempre. Podia vê-la sentada, apoiando os calcanhares ligeiramente afastados sobre o parapeito daquela janela. Suas mãos deslizavam por entre as coxas dizendo em carícias que eu ainda morava ali. Pude sentir o gosto de seu sexo em minha boca e seus dedos molhados percorreram meus lábios como quisessem escrever, eu te amo. Solidão, amargura e rancores apagaram as luzes, não mais pude vê-la, só o choro ecoava pela janela de seu quarto. Não sei por que te abandonei um dia, privação dos sentidos, medo talvez... A verdade é que se passaram trinta anos assim, num piscar de olhos. 


Curiosamente, meu reflexo no espelho não acompanhou esse período, continuo jovem como sempre, com a mesma irreverência no olhar que a fez apaixonada por mim. No dia seguinte decidi segui-la, acompanhar sua rotina, descobrir você. Há alguns passos atrás observava seu andar contido, que tentava esconder aquela outra mulher que conhecemos tão bem. Poderia até adivinhar a lingerie que usava sob a saia comportada, provavelmente vermelha, mínima, de puta. Às vezes, parecia olhar sobre os ombros como estivesse a minha procura. Ao entrar naquela loja de calçados escondi-me do lado de fora, de maneira que só eu pudesse observá-la. Percebi que ainda gostava dos scarpins salto médio, couro legítimo e levemente afilado nas pontas. Mulher de bom gosto se conhece pelos pés, das unhas até aos sapatos. Foi quando em um descuido proposital no cruzar de pernas você confirmou minhas suspeitas: vermelha, mínima, de puta.


Mais uma vez aquela música me chamava às janelas de seu quarto agora se mostravam completamente abertas. Pude vê-la vestindo um penhoar transparente que revelava a silhueta nua daquela fantástica mulher de cinquenta. Então a cena se repetia calcanhares na janela, pernas displicentemente afastadas me convidando para entrar. 


Seu desejo então veio ao meu encontro e quando percebi não havia mais distâncias entre nós, o que conhecia como meu espaço agora se transformava naquele lugar que antes observava. Da mesma forma, já era difícil distinguir minha própria geografia, vi-me estimulando meu órgão feminino enquanto aquele, que há pouco considerava ser eu, manipulava o membro rijo de desejo à minha frente. Pude sentir o prazer fluindo do meu corpo como o único fragmento daquele amor antigo, o prazer que me trazia de volta a sua vida e depois a arremessava em um vazio profundo, vazio esse que corroia a alma, me fazendo lembrar o quanto fui nocivo, mas que ainda entendia como ninguém seus pensamentos. 


Alguns dias depois te vi de mãos dadas nas ruas, cabelos grisalhos e sapatos bem engraxados compunham a imagem do homem formal ao seu lado. Gestos suaves ao abrir a porta do carro se diferenciavam daquele que a mandava subir na garupa e arrancava para um lugar qualquer. Este homem que te leva para casa não sabe os caminhos de seu corpo... Mesmo assim vou continuar por perto, atenderei ao chamado nostálgico de seu olhar. Sei que irá deixar a porta de sua casa entreaberta, para que eu possa me esconder naquele lugar que reservou carinhosamente para mim. Pude então observar aquele homem a colocar Billie Holiday na vitrola, girar elegantemente a taça de vinho e sorver o bouquet.


Suavemente acariciava sua face e dizia o quanto lhe amava. Porém, seus olhos que conhecia tão bem não me enganaram, trocaria tudo isso por um bom e sonoro tapa na bunda. A meretriz que há trinta anos se esconde sob sua pele surgiu das entranhas. Seu corpo pedia o escracho, a violação extrema, a falta de respeito para com todos os orifícios. Repentinamente materializei-me sobre você e te levei por lugares que só nós conhecíamos. Como no dia em que fizemos amor à frente daquela criança recém-nascida, seus olhinhos nos miravam através do berço de madeira com uma inocência que abençoava toda a libidinagem. Posso ainda ouvir o choro pueril ao misturar-se aos seus gemidos nos embalando a um gozo quase espiritual. Lembrança essa que faz o peso de suas escolhas mais leve e ao mesmo tempo, te deixa a mercê daquele beijo que nunca virá. 


Às vezes penso em te deixar mais uma vez, como se disso eu pudesse ter a certeza. Minha presença impõe uma comparação injusta àqueles que possam te tocar, seres imperfeitos, tão diferentes de mim. Mas sei que há algum tempo vem planejando meu fim, venho percebendo-a diferente, excitante a minha contemplação. Ao mesmo tempo, aquela música nunca mais tocou, tão pouco, conseguia segui-la nas ruas, ao perceber minha presença se esgueirava em outros passos. Não sei exatamente quando começou, o decorrer do tempo vem-se mostrado distante à minha compreensão. De quando em quando você surgia alguns anos mais velha e minha imagem no espelho refletia agora sem brilho. Já nem lembro mais de como eu era, talvez a sombra de um homem que só exista em sua presença, fragmento de um passado de fotos e cartas jogadas no fundo desse baú. 


Foi quando te vi mais uma vez naquela janela, revelando uma mulher no apogeu da maturidade, com todas as rugas que o tempo magistralmente esculpiu. E vestindo aquele mesmo penhoar que a deixava linda e jovem como sempre, me convidou para entrar em sua vida pela última vez. Ao som daquela música que conhecíamos tão bem, pude ver suas mãos a saírem por aquela janela invadindo meu pequeno espaço e carinhosamente me colocarem no colo. As lágrimas então rolaram dos seus olhos sobre minha pele amarelada, desbotando as lembranças daquele primeiro encontro. Por do sol, ondas que batiam em nossos pés descalços, a impressão de nossos corpos pela areia; e em suas mãos a margarida despetalada revelando seu bem querer. E igualmente aquele dia, meu corpo foi caindo de suas mãos em pedaços como pétalas e antes que fosse totalmente desconstruído, pude contemplar pela última vez a lingerie que usava naquela noite em minha homenagem: vermelha, mínima, de puta.

ESTAMOS EVOLUINDO? - Edmir Silveira

Tinha acabado de chegar de São Paulo e precisava ir do aeroporto Santos Dumont ao Leblon. O ônibus especial estava prestes a sair e a fila estava bem grande e atrás de mim cresceu mais ainda. Lógico que TODOS embarcaram o que resultou em muitos passageiros em pé. Sentei-me e logo passou por mim uma mulher grávida.  Óbvio que cedi o lugar.

O que me chamou a atenção é que não fui o único nem o primeiro a ter essa atitude naquele mesmo ônibus. Pessoas que estavam ou não em poltronas preferenciais ofereceram seus lugares aos de direito ou por pura delicadeza. Percebi ali que certas gentilezas estão sendo recuperadas no nosso dia a dia, mesmo em cidades grandes como o Rio.

Há alguns anos havia mais gentileza no trato entre as pessoas. Na década de 1970 era comum ceder-se o lugar na fila para os mais velhos, gestantes e mulheres em geral, simplesmente por gentileza. Não precisava de lei para que isso acontecesse. Era normal carregarmos as sacolas de compras da mãe de qualquer amigo até a casa dela, caso cruzássemos com alguma pelas ruas do Leblon.

Na década de 1980 a realidade se inverteu completamente. Era a cultura do "levar vantagem em tudo”, onde ninguém levou vantagem em nada e o Brasil todo perdeu muito. Ninguém cedia lugar para ninguém em lugar nenhum. As grávidas, às vezes, ainda davam sorte. E começava ali o declínio ético e moral que levaria nosso país a calamitosa situação atual.

A lei que obriga os bancos e locais de atendimento ao público a ter um local exclusivo para preferenciais teve que obrigar todos a serem bem educados e a agirem de uma forma que deveria ser espontânea. É triste nosso país ser um lugar onde tenha que existir uma lei para algo tão básico. 

Hoje, parece que a sociedade já incorporou essa atitude simples. A lei surtiu efeito educativo e se estendeu a outros setores da vida cotidiana. É claro que isso não aconteceria sem a internet e a força das mídias sociais.

Estamos redescobrindo o valor de coisas simples como a gentileza e a solidariedade. Estamos resgatando nossas raízes.
Ser o país que queremos vai requerer décadas de um trabalho silencioso e ininterrupto; o de cada cidadão consigo mesmo.

O brasileiro está praticando a autocrítica como nunca havia feito antes.
Já temos a consciência da culpa nossa de cada dia. Da corrupção moral que contaminou todos os níveis da convivência humana em nosso país.

Hoje, quem fura fila é vaiado. Quem antes comprava ingresso para o teatro com carteira de estudante falsa, hoje pensa muitas vezes antes. Essas malandragens agora são vistas como o que são em sua essência: desonestidade.
Voltou a ser feio fazer isso.

Parece que, apesar da descoberta desse oceano de lama que nos engole diariamente, estamos começando a nos reconstruir como sociedade. Estamos resgatando nossos valores éticos fundamentais.
Essa tendência está crescendo e se disseminando a cada dia.
No mundo virtual já está a pleno vapor e espero que invada cada vez mais o nosso mundo real. 
Afinal, sonho que se sonha junto vira realidade.
Pelo menos é o que dizem.

A MULHER QUE PERDEU SEU AMOR - Arthur da Távola


A mulher que perdeu o seu amor é alguém de quem amputaram o ar e ela não morreu. Carrega a marca da amputação no ritmo da respiração e num certo modificar do olho. Fica pesado, mais manso e lento, nega-se a olhar o mundo, a rir, a ver cores. A mulher que perdeu o seu amor é alguém cujo riso virou soluço e a recordação faz-se suspiro.

A mulher que perdeu o seu amor é alguém com óculos de ver eclipse na alma. Fica com olhar de rinoceronte em olho de cambaxirra.
Estranho e lindo esse ar sofrente de que ficam todas as mulheres que perderam seu amor. É marca que as acompanha como ruga ou expressão, pelo resto da vida. Marca irreversível, chaga, cicatriz, verruga espiritual. Podem amar de novo, melhor até. Mas jamais deixará de doer uma pontinha daquele sentimento feito impossível e daquela esperança fermentada.

A mulher que perdeu o seu amor sofre mais do que a que (ainda) não pôde viver o seu amor. Esta vive a dor do que não tem. Aquela, vive a dor de já não ter. Quem não tem e quem ainda não tem sofre menos do que quem já não tem.O terrível é que a perda do amor é o preço inevitável e doloroso do pedágio pago para a estrada do conhecer-se.

A mulher que perdeu seu amor é alguém que melhora depois, pois se descobre, abre a cabeça, os músculos, os poros. Começa a entender a vida, a ficar mais livre, a punir-se menos e a saber que vale algo.

Passado o luto moral, a fase da fossa, a fossa da fase, o fechado pra balanço, o balanço vem. A ferro e fogo, à amargura e desvario, mas vem. E traz uma visão melhor de si mesma e de tudo o que é e representa. Instala-se um saudável egoísmo e muito mais altruísmo, paradoxalmente.

A mulher que perdeu o seu amor é um paralítico que sai pra luta e nela se cura. Se o amor era a deliciosa cegueira, a perda dele ensina a ver no escuro. A ler nos solavancos do ônibus da vida, a aprender a lição das greves interiores, entender que é preciso melhorar mesmo sabendo que nunca mais será igual.

Mistura de vítima e ressureta , a mulher que perdeu seu amor é alguém muito lindo, porque é um ser com a delicadeza de sentir feita carne no açougue existencial, no qual pendura as suas verdades e ofertas: ali aquela angústia; no outro gancho, a lembrança daquela tarde; na vitrine aquele sorriso e a lembrança do momento em que se descobriu amando; no frigorífico aquela delicadeza interior não-entendida ou aquela falta de medo de sofrer; no gancho maior aquela capacidade de se entregar inteira.A mulher que perdeu o seu amor é linda não por sofrer, mas porque sofre por ter sabido ser feliz...

A mulher que perdeu o seu amor é uma mergulhadora preocupada com a beleza e a entrega do salto sem a preocupação de saber se há água embaixo. A capacidade de amar o salto e o vôo fá-la merecedora de ternura e admiração. Enamorada, ela fica pássaro. Abandonada, ela vira gente melhor. Terrível disjuntiva!

Ah, se fosse possível dizer para cada mulher que perdeu o seu amor que mesmo sofrendo assim, valeu a pena! Que a dor vai passar e com cicatrizes ela será melhor e mais bonita amanhã, amará melhor o seu amor, aquém redescobrirá sem hipnose e a quem valorizará ainda mais porque capaz de o sentir e viver sem cobrar, exigir ou sofrer.

Ah, se fosse possível nada lhe dizer e apenas oferecer o ombro para que no ninho dele se sinta protegida e segura, porque a mulher que perdeu seu amor é a criança em busca dos pais, da casa. É a menina fugindo do bicho-papão que existe e assusta, mas que some e se dissolve se há proteção sincera. Por uma estranha disposição do carinho humano, a mulher que perdeu o seu amor é sempre chamada por diminutivo ou pelo apelido carinhosos por quem a consola. Ela fica criança na ante-sala do amadurecer.

A mulher que perdeu o seu amor é , por fim, alguém que descobre seu erro e delírio para crescer no acerto doloroso de se saber incompleta e imperfeita, por isso mais mulher.

Ela era melhor e saiu perdendo. Piorou. Mas ficou pior para sair ganhando, logo, melhorou graças à piora, nessa eterna dialética do ser no sentido da integração. A mulher que perdeu o seu amor é o enigma encarnado.

A mulher que perdeu o seu amor traz, ademais, essa grande lição de vida: é capaz de contemplar o nunca mais, de frente e , ainda e uma vez, dizer-se, sonhando: pode ser.

E sempre pode. Tudo começa outra vez.

Para ficar com a própria verdade talvez seja necessário perder um amor que não corresponda a verdade profunda do ser.

Sugestão da leitora e amiga Laura Rito. Muito obrigado!

PABLO NERUDA - Pássaros

-->

Para meu coração basta teu peito
para tua liberdade bastam minhas asas.
Desde minha boca chegará até o céu
o que estava dormindo sobre tua alma.

E em ti a ilusão de cada dia.
Chegas como o sereno às corolas.
Escavas o horizonte com tua ausência
Eternamente em fuga como a onda.

Eu disse que cantavas no vento
como os pinheiros e como os hastes.
Como eles és alta e taciturna.
e intristeces prontamente, como uma viagem.

Acolhedora como um velho caminho.
Te povoa ecos e vozes nostálgicas.
eu despertei e as vezes emigram e fogem
pássaros que dormiam em tua alma.

SOMOS UM POVO FÚTIL? - Heloísa Seixas

Descuidamos de nossos museus, nosso patrimônio, nossos arquivos. Deixamos cair aos pedaços a Biblioteca Nacional. Mas adoramos automóveis. E televisores gigantes.

“No Brasil, tudo vira moda. Até manifestação de rua.”

Ouvi essa frase de um motorista de táxi durante os acontecimentos de junho, e achei um exagero. Rebati, dizendo que o povo nas ruas tinha um significado imenso e ia propiciar a mudança de várias leis. Ele me olhou pelo retrovisor e respondeu que era verdade, mas que via muitos jovens, a caminho das manifestações, agindo como se estivessem indo para um bloco de carnaval. 

“É a onda do momento”, insistiu. “Daqui a pouco passa.”

Em poucas semanas, as manifestações começaram a esvaziar. Os motivos eram muitos: a ação dos black blocks, as depredações, a violência da polícia, as denúncias de interesses escusos por parte de políticos, milicianos, traficantes. Mas não pude deixar de pensar nas palavras do motorista de táxi.

Tornei a pensar nelas há algumas semanas, ao voltar de uma viagem de quase um mês à Alemanha. Ao desembarcar no Brasil, fui tomada pela sensação de que somos mesmo um país de modismos. Um povo fútil. Sei que é um clichê essa história de ir à Europa e voltar falando de “um banho de civilização”. 

Sempre fui contra isso. Mas, desta vez — depois de visitar 11 museus, duas exposições, de ir a um concerto de música clássica e de visitar uma gigantesca feira de livros —, alguma coisa aconteceu comigo.

Acho que uma das razões dessa sensação foi a leitura, durante a viagem, do livro de Mario Vargas Llosa, “A civilização do espetáculo”. Embora em alguns pontos eu discorde do escritor, o livro me chamou a atenção para a destruição da cultura no mundo moderno, em favor do entretenimento. 

Esse conceito me deixou pensando no Brasil — nesse país que não lê livros, mas onde quase todo mundo tem celular. Onde se veem, nos bairros pobres, antenas parabólicas sobre casas miseráveis, onde há mais televisores do que geladeiras, e onde, em vez de bibliotecas, temos lan houses. País que parece ter passado, em massa, do analfabetismo funcional para o Facebook — sem escalas.

Outro fator que contribuiu para a minha sensação, ao voltar, foi essa lamentável discussão sobre as biografias. Muito me entristeceu ver biógrafos e historiadores serem tratados como se fossem caçadores de fofocas, quando o que está em jogo, com essa distorção no Código Civil, é a memória — e a História — de nosso país. Lamentei ver artistas que sempre lutaram pela liberdade defendendo posições indefensáveis. 

Não pude deixar de comparar o que estava acontecendo aqui com a atitude dos alemães em relação ao seu próprio passado (e que passado!). Eles não escondem nada. Não são um país sem memória. Tinham todos os motivos para ser, mas não são.

Nós somos. Descuidamos de nossos museus, nosso patrimônio, nossos arquivos. Deixamos cair aos pedaços a Biblioteca Nacional. Mas adoramos automóveis. E televisores gigantes, com telas de LED. Não podemos ficar um segundo sem falar ao celular, nem mesmo quando almoçamos (na Alemanha, os trens têm vagões em que é proibido ligar celulares e computadores, porque os bips incomodam). Quando viajamos — refiro-me à nossa classe média —, o que mais gostamos é de fazer compras. Já somos até conhecidos nas lojas de Nova York e Miami, onde os lojistas contratam vendedores que saibam falar português. 

E somos vaidosos. Queremos espetar botox no rosto e botar silicone nos seios. Já há meninas de 14, 15 anos, pedindo às mães que as deixem fazer isto. Nas ruas da Europa, não se vê essa quantidade de seios artificiais que temos por aqui. Estamos entre os campeões mundiais em número de cirurgias plásticas. 


Em cidades como Rio e São Paulo, há quase uma academia de ginástica em cada quarteirão. Precisamos malhar. E emagrecer. E não envelhecer nunca. E comprar tênis novos. Mas podemos passar um ano inteiro sem ler um único livro. Temos péssimos resultados em matéria de educação — em todos os sentidos.

Voltei da viagem com essa sensação de que somos mesmo fúteis, superficiais, e me lembrei do motorista do táxi.

A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO JOGO DO BICHO

O jogo do bicho surgiu no Rio de Janeiro em 1893. A criação da loteria popular mais famosa do Brasil se deve ao complicado contexto político daqueles tempos. A República, recentemente proclamada, tentava sepultar os resquícios da Monarquia derrubada — e desse quiproquó surgiu o jogo.

Nos tempos da Monarquia, o Barão de Drummond, eminência política do Império e amigo da família real, era fundador e proprietário do Jardim Zoológico do Rio de Janeiro — que então funcionava em Vila Isabel. A manutenção da bicharada era feita, evidentemente, com uma generosa subvenção mensal do governo, suficiente, diziam as línguas ferinas dos inimigos do Barão, para alimentar toda a fauna amazônica por pelo menos
dez anos. 


Quando a República foi proclamada, o velho Barão perdeu o prestígio que tinha. Perdeu, também, a mamata que lhe permitia, segundo o peculiar humor carioca, alimentar o elefante com caviar, dar champanhe francesa ao macaco e contratar manicure para o pavão. Sem o auxílio do governo, o nosso Barão cogitou, em protesto, soltar os bichos na Rua do Ouvidor — o que, admitamos, seria espetacular — e fechar em definitivo o zoológico do Rio.

Foi aí que um mexicano, Manuel Ismael Zevada, que morava no Rio e era fã do zoológico, sugeriu a criação de uma loteria que permitisse a manutenção do estabelecimento. O Barão ficou entusiasmado com a ideia. 

O frequentador que comprasse um ingresso de mil réis para o Zoo ganharia vinte mil réis se o animal desenhado no bilhete de entrada fosse o mesmo que seria exibido em um quadro horas depois. O Barão mandou pintar vinte e cinco animais e, a cada dia, um quadro subia com a imagem do bicho vitorioso.
Se bobear essa foi a ideia mais bem-sucedida da história do Brasil. Multidões iam ao zoológico com a única finalidade de comprar os ingressos e aguardar o sorteio do fim de tarde. Em pouco tempo, o jogo do bicho tornou-se um hábito da cidade, como os passeios na Rua do Ouvidor, a parada no botequim, as regatas na Lagoa e o fim de semana em Paquetá. Coisa séria.

A República, que detestava o Barão, proibiu, depois de algum tempo, o jogo no zoológico. Era tarde demais. Popularizado, o jogo espalhou-se pelas ruas, com centenas de apontadores vendendo ao povo os bilhetes com animais dadivosos. Daí para tornar- se uma mania nacional, foi um pulo.

O jogo do bicho deu samba — com trocadilho.

Contada, resumidamente, a história da criação do jogo podemos constatar o seguinte: a situação atual do zoológico do Rio de Janeiro não parece ser muito diferente daqueles tempos bicudos do velho Barão de Drummond. Dia destes, o jornal O GLOBO apresentou uma reportagem chamando atenção para o desleixo a que o jardim está entregue em tempos recentes.

Enquanto a loteria popular prosperou e virou uma espécie de instituição nacional, o zoológico não teve a mesma sorte. O jogo, que a rigor foi criado apenas para tirar o zoológico da situação de abandono, e com uma inocência digna das histórias de Poliana, a moça, foi, sem dúvida, uma das mais bem sucedidas estratégias empresariais da história Brasileira.

COMO TER UM ANJO - EdmirSilveira

Todos gostariam de ter um anjo próprio nos protegendo o tempo todo. Não importa se acreditamos ou não, mas quem não gostaria que ele estivesse aí agora?

Com este guia prático você vai ver que isto é possível, basta vencer a barreira do absurdo. É fácil, ela não existe mesmo. Pra começar a procurar seu anjo faça o oposto, identifique seu demônio próprio. É bem mais fácil nesses dias estressantes. Primeiro você tem que perceber que seu principal antagonista é você mesmo. Somos nossos piores e mais implacáveis críticos. Se a gente pudesse quebrar a própria cara de vez em quando, não seríamos assim. Por isso, se não podemos vencê-lo, juntemo-nos a ele, no caso, a nós mesmos.

A primeira providência é, numa ocasião propícia, convidar seu autocrítico para conversar. Ofereça-lhe um chazinho, todo crítico gosta muito de chazinho. Durante a conversa faça-o ver que ele o está criticando muito severamente e revele a grande verdade, ele é você. No começo ele pode relutar um pouco, mas depois vai concordar. Ou então se interne que é caso perdido. E, não adianta partir para a agressão com ele, eu garanto que você vai apanhar. Passada esta fase vamos para a segunda etapa.

Essa prática seguinte tem suas vantagens. Você pode praticá-la em casa, sozinho, não paga dízimo e não tem sermão de ninguém, nem tem que ler nada. E também não precisa ver programa de pastor em canal de televisão.

O incenso é opcional, não é necessário. Mantras também não.

Agora vamos lá, na sua sala ou quarto fique o mais relaxado que puder, na posição que desejar; Lótus, Ferrari ou McLaren. Pra dizer a verdade, a Lótus já nem sei se existe mais.  As posições importadas geralmente são mais confortáveis. Mas, tem gente que se arranja bem até com posição Fusca. Tem que ter bem mais flexibilidade, é claro. Ah, antes coloque um som instrumental que você goste muito, porque se deixar pra colocar depois de fazer a posição escolhida vai dar o dobro do trabalho.

Comece a pensar em quantos eus existem dentro você. Pense na sua criança, chame-a para brincar, pergunte-lhe o que ela sonha. Sempre. Chame seu autocrítico também e mostre-lhe a ele mesmo. Entenda-se pluralmente. Desculpe seus erros, faça um pacto de amizade consigo. Faça a paz entre todos os seus eus.

Grande parte das pessoas esconde sentimentos de si mesma. Ou seja, nem amigos confidenciais de si mesmo são. Essa é a pior solidão, a de si mesmo.  Nos aceitar, mesmo quando não compreendermos porque fizemos aquela merda colossal, é fundamental.

Seu anjo da guarda existe e está esperando por esse encontro tanto quanto você. Se olhe no espelho, sem pensar em nada e, simplesmente sorria olhando-se profundamente nos olhos. 
Você verá o seu anjo.

SER ARTE - Edmir Silveira

 
livres, Notas soltas
Sentido, beleza, 
forma, conteúdo


Músicas, perfumes, areias movediças,
Rimas, cantos, ilusões
Feitiços, agonias, respiração

Poesia, verdade, 
Momento, eternidade
Voos, balés, revoluções

Paixão faminta, transformação
Soma, artes e labirintos,
Nem pergunta, nem resposta

A Vida, a alma e a imensidão.

O TRATO DO AMOR - Edmir Silveira

Tristeza 
Sedução
 urgente, doente

Convites, sugestões, promessas, interjeições,
A noite é rock, é balada, 
é mangueira é salgueiro,
Noite de solteiro

Sensação do inevitável se aproxima
O corredor da vida

Pior que  amor que prende
É o amor que afasta
Que não quer ser

Amor existe só 
quando amado
Desejado, querido
Regado.

SIGA O CULT CARIOCA - - - - - - - - - - - SEJA BEM-VINDO!!