O PODER DO "TERCEIRO MOMENTO"

Quando o enésimo piloto o interrompe, é provável que você sinta uma onda de raiva. Quando você faz uma linha enorme e não obtém o que você precisa, uma onda de frustração o supera. Quando seu colega de trabalho recebe uma promoção que você acha que merece, sente uma onda de ciúme. Irritado Impatiência Tristeza Frustração ... Passamos a maior parte do dia invadida por várias emoções.

Muitas vezes, essas emoções são "negativas" porque nos fazem sentir mal e descarrilar nossos planos. Por causa da raiva, irritabilidade ou ciúme, acabamos fazendo coisas que mais tarde nos arrependemos. Além disso, essas pequenas experiências estão obscurecendo nossa jornada, impedindo-nos de sentir alegria e satisfação, arrebatando nosso equilíbrio emocional. A boa notícia é que não precisa permanecer assim.

Você não pode mudar as situações, mas pode mudar suas reações

Seja o que queremos ou não, nossas reações emocionais acabam moldando nossas experiências. Não podemos mudar as situações passadas, mas em cada momento enfrentamos novas experiências sobre as quais temos um certo grau de controle. Nossa resposta a cada situação moldará os próximos minutos ou horas do dia, só precisamos aprender a prestar atenção no momento certo.

Pode ajudá-lo a pensar nas emoções como se fossem uma chave na fechadura. Você pode entrar e mover a chave sem problemas no interior, mas como seu objetivo é abrir ou fechar o bloqueio, você terá que encontrar o ponto preciso onde você pode obter a chave. Se você não encontrá-lo, a chave ficará presa e você terá que continuar girando na fechadura, o que não conseguirá nada além de aumentar sua frustração.

Da mesma forma, na vida, algumas situações podem gerar estados emocionais em que estamos presos, os mais comuns são culpa e ressentimento, que por sua vez geram um laço de negatividade, um ciclo que não vai parar até nós capaz de encontrar esse ponto preciso. O método "Terceiro Momento" ensina a encontrar esse ponto, para que possamos avançar usando as emoções a nosso favor, em vez de permanecerem à sua disposição.

Os três momentos da experiência

A vida é composta por uma série de experiências, e cada uma delas pode ser dividida em três momentos.

O primeiro momento - A sensação

Em primeiro lugar, nossos órgãos sensoriais percebem uma mudança no meio ambiente. É esse momento em que ouvimos nosso nome ou vemos uma pessoa. Nesse instante, simplesmente percebemos, não reconhecemos o que está acontecendo. Nossos órgãos sensoriais capturam e transmitem informações.

O segundo momento - A atribuição do significado

Em um segundo momento, em questão de milissegundos, o que é necessário para percorrer o estímulo através das redes nervosas, reconhecemos que eles disseram nosso nome ou o rosto da pessoa. Neste momento, o que Damasio chamou de "marcadores somáticos" é ativado, o que nos permite qualificar essa percepção automaticamente como bom, ruim ou neutro.

Esta atribuição não depende exclusivamente do estímulo, mas também de nossas memórias, em experiências anteriores com estímulos semelhantes e até mesmo em nossas crenças e expectativas. Naquele momento, a experiência começa a ter uma valência emocional, gostamos ou geramos rejeição. Esse mecanismo ocorre fundamentalmente abaixo do nosso limiar de consciência.

O terceiro momento - A reação

Neste momento, temos a possibilidade de aceitar ou rejeitar o significado que nosso cérebro mais primitivo imprimiu na experiência. Podemos analisá-lo conscientemente e decidir se é realmente tão desagradável e ameaçador ou, pelo contrário, é uma reação exagerada baseada em experiências passadas que não têm muita relação com a situação atual.

O terceiro momento nos dá a possibilidade de marcar a diferença entre ação e reação, podemos distanciar-nos de respostas automáticas, entender nossas emoções e pensar em uma resposta.

O Método do Terceiro Momento

Não podemos influenciar nossas sensações e a atribuição de significados que realizamos automaticamente, mas temos enorme poder no terceiro momento da experiência. Podemos usar esse tempo como uma pausa, para que não nos limitemos a reagir, mas que somos capazes de responder.

O método do Terceiro Momento nos permite assumir o controle e não ser vítimas de circunstâncias. Como aplicá-lo? Simplesmente observando a emoção.

No segundo momento, nosso cérebro primitivo desencadeia uma emoção, que é o que nos leva a se afastar ou se aproximar do que está acontecendo. Devemos ser capazes de detectar essa emoção apenas quando surgir. Trata-se de criar essa emoção antes que ela possa desencadear uma resposta automática e conectar-se com qualquer pensamento.

Quando a emoção está relacionada com um pensamento, pensamos que estamos reagindo de forma racional, mas na realidade não é assim. Por exemplo, podemos nos sentir frustrados e, como resultado, pensar que a pessoa na nossa frente é incapaz. Obviamente, é uma conclusão sem uma base sólida além do que estamos sentindo. Quando você observa a emoção simplesmente nasceu, evite fazer associações que podem levá-lo a cometer erros.

Você provavelmente será tentado a traçar a origem dessa emoção. É compreensível, mas não é útil porque você pode cair em um loop infinito de culpa. Em vez de se concentrar em quem fez o que para quem, apenas assista suas emoções.

Não faça isso como se você fosse um observador externo, desejando emoção, mas você deve sentir isso completamente. Você pode imaginar essa emoção como se fosse um balão inflado que o enche. Não preste atenção ao globo, mas ao que está dentro dele.

Como se sente? É importante que você não racionalize. O que está dentro do balão? Na verdade, há apenas espaço.

Isso não significa que sua emoção é espaço, mas isso ajudará você a entender que a emoção em si não existe como você pensa, não é algo estático e sólido. Pouco a pouco, você começará a se sentir mais leve, essa emoção irá "desinflar" e provavelmente se sentirá feliz ou satisfeita. Quando você solta uma emoção que o afetou, você sente o alívio de se livrar de um grande peso.

No entanto, não é algo que é alcançado durante a noite, você deve praticar. Não há dúvida de que no calor do momento pode ser difícil colocar este método em prática, é por isso que é importante que você pratique em situações que você pode controlar melhor.

O interessante é que, ao controlar esse método, você ganha confiança e autocontrole, melhora sua qualidade de vida porque você deixa de reagir, você deixa de estar à mercê das circunstâncias e pode realmente escolher como se comportar.
Fonte: Rincón de la Psicologia
______________

Clique nos anúncios e ajude a custear o 
Cult Carioca. Não custa nada.
____________________


__________________


___________________________________________________

 Click

Compartilhe, o Cult agradece muito!

Seguidores